<
>

Presidente do Cruzeiro 'descasca' contrato de Fred: 'Daqueles que você lê e não acredita que foi assinado'

Após uma longa batalha judicial, o atacante Fred conseguiu a rescisão de seu contrato com o Cruzeiro e atualmente está sem clube e negociando com o Fluminense. Nesta quinta-feira, o presidente do clube celeste, José Dalai Rocha, falou sobre a situação e a disputa judicial com o Atlético-MG por conta de uma multa de R$ 10 milhões a ser paga.

"O contrato do Fred é um desses que você lê, lê, lê e não acredita que possa ter sido assinado. É um negócio impressionante. Os contratos, eu costumo falar que alguns contratos o Cruzeiro tem tanta chance quanto a Chapéuzinho Vermelho diante do Lobo Mau", comentou em entrevista ao repórter Jorge Nicola, dos canais ESPN, no canal do jornalista no YouTube. "Não vou especificar a claúsula, mas o jogador entra ganhando R$ 100 mil e tem uma claúsula que se ele participar de 5 jogos ganha um aumento de 50%. Se participar de 20 jogos, tem aumento de mais 50%. Então um salário que de R$ 80 mil passa com facilidade R$ 180 mil e com mais facilidade ainda para R$ 360 mil e com uma facilidade incrível para R$ 500 mil. Estamos cheios de contratos assim".

Quando assinou com o Atlético em 2016, Fred e o clube alvinegro chegaram a um acordo e uma claúsula previa que o centroavante deveria pagar uma multa de R$ 10 milhões ao Galo caso assinasse com o Cruzeiro. A equipe celeste assumiu o pagamento da multa, mas ele ainda não foi efetuado. Agora, as equipes brigam na Justiça por uma decisão e Dalai Rocha vê uma situação favorável aos cruzeirenses.

"A questão do Fred tem aquela cláusula de que o Fred pagaria uma multa de R$ 10 milhões se fosse pro Cruzeiro e o Cruzeiro assumiu a responsabilidade dessa multa caso ela venha a se concretizar. Na Justiça Esportiva, o Atlético já teve ganho de causa. A questão, porém, é que vai ser discutido na Justiça Trabalhista. Essa que vai dar a última palavra e o que consta é jurisprudência que o empregador não pode tolher o empregado de trabalhar. Seria claúsula não escrita", analisou.

"Certo que o Atlético tem outros argumentos, mas o Cruzeiro tem essa argumentação que na Justila do Trabalho é claúsula não escrita quando, de alguma forma, o empregador quer tolher o empregado de voltar a se inserir no mercado. Eu acho que o Cruzeiro vai ficar livre dessa multa", finalizou.