<
>

Thiago Santos fala sobre drama pessoal e elege momento mais marcante pelo Palmeiras

play
Campeão com Roberto Carlos no Palmeiras, Amaral conta quando quase morreram por causa de uma vaca após título (2:25)

Resenha ESPN com o folclórico volante foi gravado no começo de 2017 (2:25)

Thiago Santos deixou o Palmeiras ao fim da última temporada para jogar no Dallas, dos Estados Unidos. Foram quase cinco anos defendendo o clube alviverde e dois títulos do Campeonato Brasileiro.

Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva, o volante relacionou um drama pessoal a um momento de glória em campo para eleger o acontecimento mais marcante da sua passagem pelo Verdão.

“O título de 2016, por tudo que foi o ano”, cravou, depois de pensar por alguns segundos.

“A gente foi campeão e dois meses antes meu pai faleceu. O que me deu força foi o grupo todo, Cuca foi um cara sensacional comigo, por isso que eu gosto tanto dele, me deu muita força. Para mim, marcante foi o de 2016”.

"Ele faleceu em setembro. Eu fiquei uns dois dias em casa e voltei. Minha mãe falou para eu voltar. Quando cheguei no clube, tive uma… o grupo de 2016 era diferente demais, quando cheguei vieram todos, me abraçaram de um jeito, o Cuca também, me deu força e fui levando. Para superar é difícil demais, mas Deus me deu força também e terminamos o ano daquele jeito", contou o meio-campista.

Além dos títulos, Thiago Santos fez 173 jogos oficiais pelo Verdão e marcou seis gols. Ora titular, ora reserva, o volante aguerrido nunca ficou encostado ou foi emprestado neste período, apesar da forte concorrência no setor.

“Eu acho que cumpri meu papel. O que eu pude fazer eu fiz, procurei trabalhar sério, independente se ia jogar ou não. Prova disso é que todos os treinadores que passaram pelo clube me utilizaram. Para mim, foi uma passagem vitoriosa, muito vitoriosa. De 2015 até 2020, pude jogar muito, ajudar a equipe na minha função”.

Quando o Palmeiras ergueu a taça do Brasileirão em 2016, um jejum de 22 anos foi quebrado. Apesar da conquista ter escapado justamente para o Corinthians no ano seguinte, a temporada de 2018 voltou a terminar com os palmeirenses campeões.

Agora de fora, Thiago Santos consegue dimensionar melhor tudo viveu com a camisa alviverde: "Ser bicampeão brasileiro, quando você está dentro, parece normal, mas ser campeão brasileiro não é para qualquer um. Um monte de cara joga a vida toda e não ganha um título. Eu, graças a Deus, caí em um grupo maravilhoso. Até em 2017 mesmo, que a gente não foi campeão, tinha essa a possibilidade. Se a gente ganha aquele jogo contra o Corinthians, entrava na briga, mas foram anos de conquista. Não é todo ano que você vai ganhar"