<
>

Ex-presidente do Milan sugere que Italiano não tenha rebaixamento; veja quem se salvaria hoje

play
Será que ficou bom? Cristiano Ronaldo improvisa na quarentena e tem corte de cabelo feito pela esposa (0:18)

Via Instagram @cristiano | Atacante da Juventus compartilhou vídeo com Georgina Rodríguez nas redes sociais (0:18)

O ex-presidente do Milan, Adriano Galliani, em entrevista ao jornal "Tuttosport", declarou como tentaria salvar o futebol italiano da crise financeira provocada pelo coronavírus: "Salvemos o futebol com uma Série A com 22 equipes".

A ideia de Galliani é que subam os dois primeiros colocados da segunda divisão para a primeira (Benevento e Crotone), além de que nenhum dos times da primeira sejam rebaixados. Neste caso, os últimos colocados Lecce, Spal e Brescia se livrariam do rebaixamento.

Outro ponto levantado pelo ex-presidente é que os quatro primeiros neste momento (Juventus, Lazio, Inter de Milão e Atalanta) se classifiquem automaticamente para a Champions League caso a competição seja oficialmente cancelada, mesmo com outros times na briga.

Mas defende que, apesar de tudo, a atual temporada deve ser encerrada para evitar "maiores males" quando acabar a pandemia: "Obviamente com segurança, do contrário todo o sistema corre o risco de colapso".

Sobre a questão financeira, afirmou: "Para a Serie A e B, será necessário entender qual será o comportamento do público, os patrocinadores e as televisões. Dito isso, no momento em que se recuperar do vírus, ao invés de adivinhar quando começará e terminará novamente, é necessário pensar em que solução fará menos dano ao futebol".

E se preocupa com as divisões mais abaixo: "Não há investimento na Serie D, e quase não há na Serie C. A Serie C perderá 120 milhões de euros ao ano, que são depositados por 60 empresários, cada um depositando 2 milhões por ano, mais ou menos. Tenho medo. A crise econômica será um golpe forte no nosso país e evitará que esses 60 senhores coloquem dinheiro no próximo ano. Mas a Serie C e D desempenham um papel social tirando as crianças das ruas e deve-se encontrar um sistema para garantir que lhe seja reconhecida essa tarefa".