<
>

LaLiga faz as contas de quanto perde se temporada acabar ou com jogos de portões fechados; veja números

play
Neymar parcelado no Barça, Mbappé no Real e Cristiano Ronaldo 'vetado'; Linares repercute jornais espanhóis (1:39)

Capas dos periódicos ibéricos também homenagearam o histórico técnico Radomir Antic, que faleceu na última segunda (1:39)

Os clubes espanhóis vão perder o equivalente a R$ 5,68 bilhões se a temporada não for finalizada. Esse foi o número apresentado pelo presidente de LaLiga, Javier Tebas, que deixou claro que esse não é cenário que está sendo considerado no momento. A intenção continua sendo que as competições disputadas até o fim e com todos resultados sendo definidos em campo.

“Se não retomarmos, o impacto econômico nos clubes espanhóis, incluindo o dinheiro das competições europeias, seria em torno de 1 bilhão de euros”, explicou Tebas em videoconferência com veículos de imprensa estrangeiros.

"Esse número não se baseia apenas na receita da liga, mas também inclui dinheiro que as equipes não receberão da receita da Champions League. As perdas serão de 300 milhões de euros se os jogos forem disputados com portões fechados. E de 150 milhões de euros se retomarmos com torcida, pois o dano que já foi causado”, disse sobre a paralisação do futebol diante da pandemia do coronavírus.

Retorno do futebol

“Os atuais cenários sendo discutidos são reiniciar a liga espanhola em 28 de maio, 6 de junho ou até 28 de junho”, esclareceu Tebas. “Mas nós temos que ver o que acontece em abril. Não apenas na Espanha, mas em outras partes”. LaLiga está suspensa de maneira indefinida até que haja a liberação do governo. A Espanha está em estado de emergência desde 14 de março e seguirá até 26 de abril, no mínimo.

“A UEFA avalia dois cenários. O primeiro é que as ligas nacionais e as competições europeias sejam disputadas em paralelo: jogos das ligas no fim de semana e dos europeus no meio da semana. O outro cenário são dois blocos: torneios domésticos disputados até julho e os jogos europeus em julho ou agosto”, disse o dirigente.