<
>

Gabigol conta 'resenhas' com Jesus e diz: 'É meu Paizão, amo ele de coração'

Nesta segunda-feira, o atacante Gabigol participou de uma transmissão ao vivo pelo Instagram com o comentarista e ex-jogador Caio Ribeiro e não poupou elogios ao comandante do Flamengo, Jorge Jesus.

"Esse aí (Jesus) é meu Paizão, amo ele. (Sobre Jesus dar muitas broncas) Pior que não, pior que não. Ele conversa muito comigo taticamente e tecnicamente. A gente brinca bastante, ele é um cara bastante divertido. A gente vê ele ali perto do campo brigando, cobrando, mas ele é um cara muito divertido. Eu amo ele de coração, a pessoa que ele é. Queria que vocês tivessem mais contato com ele pra descobrirem a pessoa que ele é. Ele zoa todo mundo, ele zoa todo mundo. Mas quando tem que dar dura, ele dá dura", comentou.

O atacante também relembrou uma "resenha" com o técnico, que aconteceu quando Gabigol e Filipe Luís foram assistir a uma partida de basquete do clube rubro-negro.

"Lembrei de uma resenha muito boa agora. A gente foi pra um jogo de basquete, eu e o Fili (Filipe Luís). Primeiro que a gente se perdeu no caminho, no Rio mesmo. A gente tinha convidado o Jesus e ele chegou antes e me ligou, perguntou 'está aonde? A gente tá perdendo aqui, uns 20 pontos atrás'. E eu falei pra ele 'quando eu chegar ai a gente vai virar'", comentou.

"Chegamos atrasados, no intervalo. Eu, todo empolgado e feliz, sentei do lado dele e pedi uma pipoca para comer vendo o jogo. Quando ele viu a pipoca... 'você não vai comer isso não, você não pode comer isso'. Tomou a pipoca de mim e não deixou eu comer. Juro por Deus. Ele não comeu e não deixou eu comer", disse entre risos.

Gabigol também comentou sobre os treinos de Jorge Jesus, disse que iria "tomar uma bronca por contar algumas coisas" e relembrou mais uma resenha do português.

"As movimentações que a gente faz são muito bem treinadas e ele que inventa pra gente, individualmente. Quando ele chegou, a gente não se entendia muito bem, não entendia alguns movimentos, mas ele foi ensinando e a gente foi se adaptando, cada um da sua forma. e conseguimos entender bem o esquema. É um treino muito intenso. A gente treina e como a gente treina a gente joga. A gente faz muitas coisas individuais, é um treino muito bom, gosto muito", analisou antes de entrar na história curiosa.

"Tem até uma história boa sobre isso. Lá no Ninho (do Urubu, CT do Flamengo) ele mandou colocar refletor, mas ainda não colocaram. Aí a gente começou a treinar um dia, ficou escuro e ninguém conseguia enxergar a bola. Aí a gente falava pra ele 'Mister, Mister, não dá pra enxergar a bola!'. Ele virou pra gente e falou 'é bom porque aí no jogo vocês jogam de olho fechado' e começou a rir", finalizou.