<
>

'Fica tisti não' e '9 a 2': no clássico Atlético-MG x Cruzeiro, vale (quase) tudo para provocar o rival

play
Thiago Neves tira onda após conquista da Copa do Brasil: 'Para de chorar, galinhada!' (0:13)

O meio-campista do Cruzeiro postou o vídeo em seu Instagram e ainda filmou Rafinha e Edílson participando da brincadeira (0:13)

Vencer um clássico significa tudo para o torcedor, que pode provocar imensamente o rival nas redes sociais ou no trabalho. A rivalidade entre Cruzeiro e Atlético-MG não foge a regra, e muitas vezes são os jogadores que protagonizam as provocações, aproveitando as partidas, as coletivas e publicações nas redes sociais para ‘irritar o adversário’.

A rivalidade é tanta que os dois times não conseguem concordar em números de vitórias e derrotas. De acordo com o Galo, foram 514 partidas, com 207 vitórias, 170 derrotas e 137 empates, sendo que marcou 727 gols e levou 647.

Já o Cruzeiro, apresenta números diferentes. A Raposa acredita que enfrentou o rival em 496 oportunidades, vencendo 169 jogos, perdendo 195 vezes e registrando 132 empates. O clube também acredita que a diferença de gols é menor, e aponta ter levado 696 gols e marcado 639.

Diante disso, a ESPN relembrou as maiores provocações feitas pelos jogadores do Atlético-MG e do Cruzeiro:

‘FICA TISTI NÃO’

Em 2018, após eliminar o Atlético-MG na Copa do Brasil, Thiago Neves publicou um vídeo no stories do Instagram provocando os rivais. Além do meia, Egídio, Robinho e Edílson apareceram falando diversas vezes a frase : “fica tisti (triste) não, fica tisti não…”

play
0:13

Thiago Neves tira onda após conquista da Copa do Brasil: 'Para de chorar, galinhada!'

O meio-campista do Cruzeiro postou o vídeo em seu Instagram e ainda filmou Rafinha e Edílson participando da brincadeira

Mas, para o elenco cruzeirense, tudo que foi bom, durou pouco. O ano de 2019 foi cheio de polêmica, desde o péssimo desempenho em campo até o polêmico aúdio “Fala, Zézé”. Após o rebaixamento da Raposa, o elenco do Galo não deixou de retribuir a provocação.

No vídeo, o goleiro Vitor perguntou “Tá tisti?” e apontou a câmera para o resto do elenco que respondeu: “Fica tisti não” e, logo, emendou a canção que a torcida do Atlético-MG tornou famosa em 2019: “Arerê, o Cruzeiro vai jogar a série B”.

A expressão voltou a tona neste ano, quando o Atlético-MG venceu o primeiro clássico do ano por 2 a 1. Após a vitória, Cazares, meio-campista do Galo, publicou em seu instagram uma foto do elenco com a seguinte legenda: “tá tisti? Fica tisti não. Aqui é galo!”.

A responsabilidade de uma resposta caiu nos ombros do goleiro Fábio em uma coletiva na segunda-feira seguinte após o jogo. “O Atlético ganha, e a gente vê a comemoração que eles fizeram. Entraram em campo… só faltou a volta olímpica. Mas para o cruzeirense é normal vencer um clássico”, disse.

“Agora, o Atlético, eu não vejo nenhum parâmetro para querer tirar sarro, foi até campeão da Série B em 2006. Acho que não condiz muito com a realidade do clube, completou.”

A PROVOCAÇÃO QUE DEU ERRADO

No dia 4 de fevereiro, Thiago Neves aproveitou para tentar ‘zuar’ o rival em uma publicação. Ao passar pelo CT do Atlético o meia tirou uma foto e a colocou em uma foto com a seguinte legenda: “Barragem que já caiu uma vez, assusta moradores de Vespasiano e região. Atenção aí pessoal!”.

A tentativa era fazer uma piada associando o rebaixamento do Atlético-MG ao rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, que havia acontecido 10 dias antes da postagem. A brincadeira não deu certo, o que levou Thiago Neves a apagar a publicação em 20 minutos e fazer um pedido de desculpas em sua conta oficial.

TARDELLI: A MEMÓRIA DO 9 A 2

Em 2014, após marcar o gol na vitória do Atlético-MG sobre o Cruzeiro por 3 a 2 no Campeonato Brasileiro, Diego Tardelli não deixou de provocar o rival. Na comemoração, o camisa 9 pediu para Marcos Rocha, lateral direito que utilizava o número 2, para ficar ao lado dele e mostrar o placar da maior vitória na história do clássico: 9 a 2.

A partida aconteceu no Palestra Itália, no dia 27 de novembro de 1927, quando o Galo marcou nove gols no adversário. Apesar disso, os cruzeirenses afirmam que o jogo nunca aconteceu e a partida não aparece nos registros do clube.

Mesmo assim, Tardelli não abandona. Após a vitória no único clássico de 2020, Tardelli aparece mostrando o número ‘9’ na foto publicada no Instagram do equatoriano Cazares.

O DRIBLE DA FOCA

Dentro do jogo, os atletas têm altas chances de provocar o adversário. E, em um clássico válido pelo Campeonato Brasileiro, o meia-atacante do Cruzeiro, Kerlon não perdeu a oportunidade de gerar a polêmica, que dura até hoje: provocação ou drible?

Aos 34 minutos do segundo tempo, vencendo por 4 a 3, o Kerlon ‘Foquinha’, conhecido pelos dribles em que cabeceava a bola imitando uma foca, aproveitou a vantagem para driblar os adversários. Após levantar bola até a cabeça, o meia começou a fazer as suas características embaixadinhas e foi violentamente derrubado pelo lateral-esquerdo Coelho.

O lance gerou uma grande confusão, que terminou com a expulsão do lateral. No final da partida, o então técnico do Galo, Emerson Leão, deixou a sua opinião da jogada: “Não foi um lance de habilidade, nem de menosprezo, mas sim de provocação”.

BOMBA DE RONALDINHO

Após marcar um gol de pênalti na decisão do Campeonato Mineiro, Ronaldinho aproveitou para provocar a torcida do rival. Depois da dancinha ‘em linha’ com Rever, Tardelli, Luan e Alecssandro, o meia sinalizou estar ‘jogando uma bomba’ na torcida do Cruzeiro.

O gesto imitando o lançamento de uma granada foi acompanhado por uma atuação, na qual Ronaldinho tampou os ouvidos e se ‘mostrou’ assustado com a explosão.

MERECE UM QUADRO

O meia Cazares já usou as redes sociais para provocar o Cruzeiro mais de uma vez.

Após vencer o rival por 2 a 0 na 13ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2019, o equatoriano relembrou o seu drible sobre Edílson. Em uma publicação no seu twitter, Cazares perguntou se valia fazer um quadro com o lance, no qual o lateral-esquerdo aparece deitado no chão.