<
>

São Paulo: Diretor projeta perda de até R$ 100 milhões com coronavírus e revela dívida de mais de R$ 300 milhões

O diretor financeiro do São Paulo, Elias Albarello, esclareceu a situação financeira que vive o clube paulista. Dívidas, projeções de perdas com a pandemia do coronavírus e a necessidade de vendas de jogadores.

Em entrevista ao Canal do Nicola, no YouTube, do jornalista dos canais ESPN, Jorge Nicola, Elias dissecou a realidade que vive o São Paulo.

"Em termos de dívidas, temos com as instituições financeiras, que envolvem, por exemplo, bancos, na casa dos R$ 130 milhões naquela de até um ano, e superiores há um ano, por volta de R$ 30 milhões. Outras obrigações como entidades esportivas (transferências de jogadores), cerca de R$ 90 milhões. Temos ainda outras obrigações tributárias, que giram por volta de R$ 60 milhões"

Com isso, o São Paulo enfrenta uma dívida de cerca de R$ 300 milhões em 2020. Para Elias, isso não é um grande problema devido ao faturamento que o clube deverá ter.

"R$ 300 milhões perante um faturamento de R$ 250/270 milhões é absolutamente tranquilo e teremos um controle efetivo desta dívida".

O diretor destacou a venda de Antony para o Ajax, que aliviará parte do caixa do clube e a necessidade de vender mais algum jogador até o final do ano.

"Tínhamos uma necessidade de venda e como todos os clubes do país, há uma dependência de vender jogadores. (Com a venda do Antony) Chegaríamos até o meio do ano sem nenhuma venda, mas com o cenário atual (coronavírus), isso pode mudar e ter um impacto efetivo de cerca de R$ 90 a 100 milhões. Temos que ser criativos".

O dinheiro da venda do atacante (cerca de R$ 109 milhões por 90%) ainda não caíram nos cofres do São Paulo.

Elias adicionou que as eliminações na Copa Libertadores e Copa do Brasil, em 2019, em fases iniciais, prejudicaram o balanço positivo nas finanças do clube.

Sobre um possível novo patrocinador, já que o atual contrato vence em abril, o diretor não revelou propostas.

"A situação mudou no mundo. O Banco Inter tem a prioridade da renovação e há o interesse em renovar. Para esse ano, estávamos numa crescente no Paulistão e Libertadores e isso colabora na busca de um patrocínio. Sempre há a procura de interessados. Oficialmente, não abrimos nenhuma conversa, mas recebemos algumas sondagens".