<
>

TV ameaça não pagar mais de R$ 600 milhões a clubes franceses por crise do coronavírus

play
Neymar é acusado de 'furar' quarentena e volta a ser pivô de polêmica; André Linares traz as informações (0:59)

Reportagem do Mundo Deportivo utilizou foto em que atleta aparece cercado por amigos para questionar conduta do atacante (0:59)

A crise financeira dos clubes da primeira divisão francesa por causa da paralisação do futebol nacional pode ser ampliada. A rede de televisão Canal+ afirmou que não pagará os direitos de transmissão às equipes enquanto o campeonato não for retomado.

O acordo firmado entre as partes previa que a empresa desembolsasse 110 milhões de euros (cerca de R$ 625 milhões) às equipes no próximo dia 5 de abril. Seu presidente, Maxime Saada, porém, garantiu que não o fará.

“Não é possível que paguemos as cotas futuras, já que devido à suspensão do Campeonato Francês, não se pode jogar nenhuma partida e, por tanto, transmiti-las em nossos canais”, declarou.

“Esta suspensão de pagamento é parte de um contexto em que a crise do coronavírus afetou severamente quase todas as atividades de nosso grupo. Nossas atividades de televisão paga na França se viram fortemente afetadas pelo fechamento de grande parte dos canais e pelo enfraquecimento de nossas ofertas esportivas”, completou.

A verba que deveria ser quitada no dia 4 é parte dos 558 milhões de euros (R$ 3,17 bilhões) previstos no contrato com o Canal+. A BeIn Sports, outra detentora dos direitos de transmissão, deveria pagar 201 milhões (cerca de R$ 1,14 bilhão).