<
>

Com 'modelo' em perigo, Barcelona torce para Messi seguir exemplo de Mirotic, diz jornal espanhol

play
André Linares traz os bastidores das negociações para redução salarial e explica finanças do Real Madrid (1:17)

Direto da Espanha, repórter dos canais ESPN comentou a situação dos clubes de LaLiga (1:17)

Em extensa reportagem publicada sobre as contas do Barcelona, o jornal El País, o mais importante da Espanha, mostrou que o "modelo" atual do clube corre sério risco de acabar devido à paralisação do futebol causada pela pandemia mundial de coronavírus.

O time catalão é apenas uma das quatro equipes de LaLiga (ao lado de Real Madrid, Osasuna e Athletic Bilbao) que não é uma SAD (Sociedade Anônima Desportiva) - leia-se: que não tem um "dono", sendo comandada pelos associados.

A crise financeira causada pela Covid-19, porém, afeterá o Barça de maneira tocante, já que a equipe catalã possui uma das maiores folhas salariais do esporte mundial, e os jogadores vêm relutando em permitir o corte de 70% de seus vencimentos, como quer a diretoria.

Por causa disso, o diário espanhol coloca em dúvida se o clube do Camp Nou terá condições de seguir em seu modelo atual depois que a crise do coronavírus passar, ou se terá que se transformar também em uma SAD, o que iria totalmente na contramão do histórico blaugrana.

Segundo o El País, o principal aliado na luta do presidente Josep Maria Bartomeu para tentar convencer os astros do futebol a permitirem o corte salarial é o mais importante jogador de basquete culé.

Trata-se do montenegrino Nikola Mirotic, que veste o uniforme azul-grená desde 2019 e, antes disso, teve boa passagem pela NBA, atuando por Chicago Bulls, New Orleans Pelicans e Milwaukee Bucks.

Em conversas com a alta cúpula barcelonista, Mirotic aceitou a redução de 70% de seus vencimentos, que são os maiores da equipe de basquete dos catalães.

"Em nenhum momento alguém me pressionou para que eu aceitasse o corte. Foi minha própria decisão para apoiar o clube neste momento", escreveu o ex-NBA, em suas redes sociais.

A esperança, por sua vez, é que Messi e cia. façam o mesmo.

De acordo com o veículo, o Barcelona paga um salário médio mensal de 11,4 milhões de euros (R$ 65 milhões) aos atletas do time de futebol, a maior quantia de todo o futebol espanhol.

Os outros esportes, por sua vez, têm os seguintes custos: basquete (41,3 milhões de euros), handebol (9,6 milhões de euros), hóquei sobre patins (3,3 milhões de euros), futsal (6,4 milhões de euros) e outras modalidaes (3,8 milhões de euros) - praticamente todas dão prejuízo ao Barça.

O futebol feminino, por sua vez, tem custo mensal de 3,5 milhões de euros, mas é todo bancado pela Stanley, uma das patrocinadoras culés.