<
>

Alexandre Pato é analisado por Cannavaro: 'Altíssimo nível, mas muito sensível'

play
'Extraordinário': veja a opinião de Fabio Cannavaro sobre o atacante Alexandre Pato (2:02)

O italiano não escondeu a admiração pelo futebol do jogador do São Paulo (2:02)

Um dos grandes zagueiros do futebol mundial nos últimos tempos, Fabio Cannavaro utilizou seu Instagram para interagir com os fãs neste domingo. Entre muitos assuntos, falou bastante sobre Alexandre Pato.

Hoje treinador, Cannavaro comandou Pato no Tianjin Tianhai - na época Tianjin Quanjian -, no futebol chinês, em 2017. E o italiano não escondeu a admiração pelo futebol do atacante do São Paulo.

“Eu vi aqui e posso te dizer que conosco ele fez coisas que só jogadores de alto nível da Europa (fazem). Tem qualidade física, talento. Quando veio aqui, ele queria driblar todo mundo. É uma das suas principais características. Fazia coisas”, declarou. “Naquele ano, fez 15 gols com a gente."

Para Cannavaro, Pato ficou prejudicado pelo rótulo de “lesionado” que o acompanhou pela carreira após a passagem de cinco anos pelo Milan, onde sofreu com problemas físicos e teve dificuldades para se firmar após um bom início de trajetória.

"É um jogador extraordinário, de nível altíssimo, mas ele pagou (um preço) pelas inúmeras lesões durante o período em que defendeu o Milan. Quando eu propus (a contratação de) Pato ao meu presidente, ele me disse: 'Como? Está sempre machucado!'. Mas eu estava preparado. Levantei uma estatística dos últimos sete anos e ele não havia perdido uma partida por lesão. Mas no imaginário do mundo do futebol, ele era visto como um jogador frágil", apontou.

Revelado pelo Internacional, Pato chegou ao Milan como uma grande promessa do futebol mundial. Após passagens por Corinthians, o próprio São Paulo, Chelsea, Villarreal e Tianjin, vem tendo bons jogos no clube do Morumbi, mas teve uma carreira bem menos brilhante do que dele se esperava.

“Ele é um jogador muito sensível e precisa de confiança, como todos os grandes jogadores. Precisa da confiança do treinador, precisa da confiança dos companheiros”, considerou Cannavaro.