<
>

Sem churrasco, refrigerantes e doces: como Tevez fez Boca esquecer desejo por Guerrero

Aos 36 anos, Carlitos Tevez vivia neste início de 2020 uma de suas melhores fases na carreira. E para recuperar o futebol que fez dele um dos grandes atacantes sul-americanos deste século, o argentino mudou de comportamento.

O diário Olé, que definiu este como “o melhor Tevez de todos os tempos”, detalhou a rígida rotina do atacante do Boca Juniors, ainda mais controlada em tempos de coronavírus. Alimentação, exercícios e disciplina foram fundamentais para o reerguimento do veterano.

Tevez aceitou adaptar-se a uma dieta equilibrada. Nada de churrascos, refrigerantes e doces. O álcool também foi cortado por completo, assim como as frituras e a farinha.

Junto desta nova dieta, uma rotina de trabalhos físicos, mantidos em casa por causa do isolamento pelo coronavírus e acompanhados pelo preparador físico do clube, Damián Lanata.

“O isolamento pegou Carlitos em seu melhor momento no Boca, inteiro e com muita confiança, mas ele sabe que se não treinar, pode perder tudo. Tem que se esforçar em dobro para manter este nível”, disse ao jornal uma fonte próxima ao jogador.

Foi com esta disciplina que Tevez deixou o banco do Boca para ser o principal jogador na campanha do título argentino desta temporada, marcando inclusive o gol que garantiu a conquista, diante do Gimnasia y Esgrima.

A ótima fase vivida pelo atacante fez com que o Boca deixasse de lado os planos de contratar um nome de peso para seu ataque. Paolo Guerrero, do Internacional, era um sonho antigo do clube, mas, ao menos momentaneamente, ficará em segundo plano.