<
>

Brasileiro que viralizou com 'drible impossível' conta como foi de 'cenas de filme de terror' a já voltar a treinar na China

play
Como ele levantou a bola?! Brasileiro cria drible 'impossível' (e inexplicável) no futsal (0:19)

Serginho Paulista está atuando no Shenzhen Nanling Tielang, da China, e impressionou em treino (0:19)

Em dezembro de 2018, Serginho Paulista foi responsável por um dos vídeos mais vistos do ESPN.com.br: um “drible impossível” fazendo a bola colar em sua chuteira. Pouco mais de um ano depois, o brasileiro voltou a atender a reportagem, mas para um assunto bem diferente: como o coronavírus afetou a China.

O jogador conta que foi liberado pelo Shenzhen Nanling, seu clube, para a folga do ano novo chinês por volta do último dia 12 de janeiro para voltar ao Brasil.

“As autoridades não falaram para nós sobre isso em dezembro, estava um pouco encoberto. Com três dias em casa, estourou na mídia e todos ficaram sabendo da epidemia. Meus colegas chineses falaram que tudo estava fechado e faltavam coisas nos mercados. Eles me pediram para trazer máscaras e álcool gel”, disse ao ESPN.com.br.

Serginho precisou voltar para a China no começo de março e sentiu os impactos da pandemia pela cidade de Shenzhen.

“Era cena de filme de terror. As ruas estavam vazias, as pessoas olhando desconfiadas o tempo todo. Para ir ao mercado era necessário mostrar documentos que comprovavam que moro no bairro. Todos os lugares tem medidores de febre”, contou.

A população da cidade andava com máscaras e evitavam qualquer tipo de contato. “Quando alguém se aproximava na rua, a outra pessoa atravessava a calçada antes delas se cruzarem. Era algo bem sinistro”, afirmou.

Além disso, os bairros estão todos fechados com cancelas, como se fossem condomínios fechados.

“Você não pode circular. Se você sai de casa, precisa que avisar aonde vai, o que vai fazer e quanto tempo irá permanecer”, explicou.

Nos últimos dias, porém, a situação ficou um pouco melhor. Serginho, inclusive, já voltou a treinar normalmente.

“O pior já passou, mas ainda temos muita cautela. Andamos de máscaras, somente os jogadores e comissão técnica podem ir ao ginásio. Depois de tomar banho, vamos direto para casa e não saímos mais. Minha cidade foi uma das menos afetadas, mas nem todas voltaram às atividades”, disse.

O drible

Em entrevista ao ESPN.com.br, o jogador também relembrou a repercussão mundial do lance que criou e revelou o segredo para conseguir o "drible impossível".

"Muitos amigos me mandaram o print da postagem que vocês fizeram. Fiquei feliz demais. É uma coisa que me esforcei para deixar essa dúvida, mas quando as pessoas mais próximas me perguntam eu tenho que admitir. Foi uma brincadeira com a intenção de dar maior visibilidade ao futsal. Queria fazer uma coisa que chamasse atenção e que fosse impossível de fazer. E deu certo, muita gente acompanhou, não somente no Brasil mas fora também postando e se perguntando como fiz aquilo", relatou.

Para decepção de alguns, ele explicou que o segredo para acrobacia foi mais simples do que parece.

"Foi uma cola que passei na sola do tênis (risos) Eu dei um toque e a bola subiu. Falei então para um amigo meu do time vir me ajudar a fazer uma marcação falsa ali para fazermos o vídeo e colocarmos na internet. E a ideia rendeu e deu certo, né? (risos)".

Parça de Iniesta

As idas e findas no futsal fizeram Serginho Paulista viver uma experiência diferente no último ano, em 2017. Durante as férias, jogou um torneio amistoso no Kwait ao lado de Andrés Iniesta, lenda do Barcelona, que hoje atua no Japão.

"Teve um jogo com a escolha da torcida e tive a sorte de atuar no mesmo time que ele. Foi bem legal e importante para minha carreira. Pude mostrar um pouco mais do meu trabalho. Eu fiz algumas graças e até dei uma assistência para o Iniesta (risos). Foi bem interessante. E gostei muito”.

Além disso, o brasileiro pode trocar algumas palavras com o autor do gol do título da Espanha na Copa do Mundo de 2010.

“Conversei com ele porque naquela época eu estava indo para a Espanha jogar no Inter Moviestar, que é considerado o melhor time do mundo há alguns anos. O Ricardinho, melhor jogador do mundo hoje, atua por lá. O Iniesta acompanha muito futsal e ele veio e conversou. É uma pessoa bem simples e humilde, que demonstra dentro de campo e nas entrevistas. Pessoalmente é a mesma coisa, parece ser uma pessoa do bem”, contou.

play
0:14

Embaixadinhas, cesta e álcool em gel: Garoto dá show em quarentena e nem reage a feito incrível

O vídeo de Dylan Rochlen, que joga no Austin FC, viralizou nas redes sociais

Carreira

Serginho começou no futsal do Barueri, quando chegou a fazer alguns treinos no futebol de campo, antes de passar por São Paulo, Foz do Iguaçu, Joinville e Concórdia.

"Eu cheguei à seleção brasileira em 2013 e fiquei um ano. Fui campeão do Circuito Sul-Americano e do Grand Prix. Fiz vários amistosos também e saí para fora do Brasil", relatou.

“Sou fã do Falcão pela mesma característica, é um grande jogador. Infelizmente encerrou a carreira a agora. Gostava muito do Lenísio, Vander Carioca, Neto e outros”, disse.

Depois, ele passou por Benfica de Portugal, Nagoya Oceans do Japão, Inter Movistar da Espanha e agora na China.