<
>

Cruzeiro: Adílson Batista revela ajuda de Palmeiras e São Paulo, ataca elenco rebaixado e quer ver cartolas presos

play
Adílson volta a lamentar gestão 'fragmentada' do Cruzeiro e critica 'medalhões': 'Não conseguiram me derrubar porque foram 3 jogos' (2:15)

Treinador avaliou o momento da equipe que tenta se reerguer (2:15)

Adílson Batista completa 52 anos nesta segunda-feira. O presente não veio, muito pior, o técnico foi demitido do comando do Cruzeiro neste domingo, após derrota para o Coimbra, pelo Campeonato Mineiro. Em entrevista exclusiva ao Futebol na Veia, da ESPN, o treinador abriu o jogo sobre a situação que vive o clube mineiro.

"Desde o ano passado me entreguei, mas não conseguimos (evitar o rebaixamento). Transfiro isso também para os atletas (de 2019) porque derrubaram Mano Menezes, Rogério Ceni e Abel Braga. Não me derrubaram porque foram só três jogos", disparou.

Na 5ª posição no Estadual, fora da zona de classificação às semifinais, o Cruzeiro vive situação difícil.

"Fizemos uma reformulação, 90% do elenco renovado, 80% da base. Temos que entender o processo, ter calma com os meninos, seguir exemplos do Flamengo, do Athletico-PR. Faz parte do nosso trabalho, a gente lamenta uma decisão tomada pelo conselho gestor, fiquei triste e chateado. Precisava entender o processo do clube. Tínhamos o objetivo maior lá na frente, com a chegada de novos jogadores, torço e desejo sorte e sucesso para o novo comandante que chegar e reerguer esse clube tão grandioso para voltar a Série A", analisou.

Adílson classificou como "urgente" a necessidade de um presidente, já que o Cruzeiro está sem desde a saída de Wagner Pires de Sá.

play
3:03

Adílson cita 'dívida enorme', detalha problemas administrativos e pede: 'Cruzeiro precisa de um presidente urgente'

'Não pode ficar nessa guerra política'; completou o ex-treinador

"Importante para tomar decisões, dar respaldo ao futebol, acalmar e falar a verdade ao torcedor. Campeonato Mineiro não é importante, Copa do Brasil é difícil. A partir de maio tem que ser mais competitivo para subir, que é o grande objetivo. Voltar devagarzinho como fizeram River Plate, Racing e Corinthians. O Cruzeiro é o que mais representa Minas Gerais".

O técnico analisou a atual gestão, formada por um conselho gestor de oito pessoas: 'Evidente que tem valor, pela dificuldade que o clube vive, com desmandos e descasos. Tem que enaltecer, mas na área do futebol os 8 estavam dando palpites, o departamento de futebol ficou isolado, Ocimar (Bolicenho) ficou isolado. Muitas pendências foram resolvidas, jogadores na justiça e tal... Mas não conseguimos contratar, acabamos perdendo tempo, jogadores não quiseram vir, preciso respeitar o lado financeiro. Alguns clubes quiseram ajudar: Vanderlei Luxemburgo com o Palmeiras, São Paulo, Athletico-PR com o Paulo André".

play
0:19

Adílson se defende após demissão: 'Não sofremos no campeonato; tivemos erros pontuais e individuais'

Treinador também assumiu parcela de culpa após sequência ruim no Mineiro

Adílson deu sua opinião sobre os problemas do clube e disse que espera que a diretoria de 2019 "seja presa".

"Sabia das dificuldades, dívida enorme, mais de R$ 800 milhões com quatro, cinco meses atrasados... Contrato de menino de 19 anos com luvas de R$1,9 milhão, fico triste que o Cruzeiro foi mal administrado e espero essa turma presa".

play
3:47

Adílson Batista detona gestões passadas do Cruzeiro: 'Vou ver se o Sergio Moro nos ajuda; espero essa turma presa'

Treinador deixou o cargo na equipe mineira após nova derrota no Campeonato Mineiro

Sobre Thiago Neves, Adílson foi sucinto: "Nem trabalhei com ele".