<
>

100 dias para a Eurocopa: guia antecipado traz o que esperar de Inglaterra, Portugal, França, VAR e até coronavírus

play
Fã de Cristiano Ronaldo, Mbappé tinha dezenas de pôsteres do ídolo em seu quarto; veja (0:44)

Em texto assinado por ele próprio no Players Tribune, o camisa 7 do PSG lembrou momentos da infância, falou dos primeiros passos da carreira e da relação com craques como Zidane, Cristiano Ronaldo e Neymar (0:44)

Estamos oficialmente a 100 dias do jogo de abertura da Eurocopa 2020 e, convenhamos, nunca é cedo demais para olhar para as grandes equipes e tentar responder às grandes perguntas enquanto as seleções continuam seus preparativos para um dos torneios mais importantes do mundo.

Ainda há quatro vagas em aberto, que serão disputadas nos playoffs no final de março (leia mais sobre isso aqui também), mas temos uma visão super-antecipada dos supostos favoritos para vencer a competição, bem como uma primeira olhada mais profunda em outras questões importantes. assuntos como VAR e coronavírus, que estarão nos holofotes antes do jogo de abertura, em Roma, dia de 12 de junho.

Veja, abaixo, o guia antecipado da Eurocopa 2020:

Quem são os verdadeiros favoritos?

Vamos dar dois passos para estabelecer os favoritos para a Euro 2020: como a lista ainda é incerta a três meses do torneio, vamos simplesmente ver quais times foram os mais dominantes (1) nas eliminatórias. Então, vamos diminuir as probabilidades (2) de todas as equipes do grupo infernal deste ano, o Grupo F (França, Alemanha, Portugal). Então, quem lidera o caminho?

1. Inglaterra Sim, temos que ter cautela quando se trata da Inglaterra por conta de suas decepções recentes e também por que não sabemos como Harry Kane estará. Mas o English Team foi muito bem na fase de qualificação: segundo melhor ataque, terceiro melhor saldo de gols e apenas uma única falha desculpável, a derrota por 2 a 1 para a República Tcheca.

2. Bélgica As casas de apostas colocam a Bélgica como favorita a vencer o torneio, ao lado da Inglaterra, e elas têm motivos para isso. Após o 3º lugar na Copa do Mundo, o time teve o melhor saldo de gols e a melhor defesa das eliminatórias. No entanto, eles precisam de Eden Hazard saudável, e ele teve uma lesão séria, que o tirou do restante da temporada do Real Madrid.

3. Espanha É verdade que La Roja não chegou nem às quartas de final dos seus últimos três grandes torneios, mas os veteranos espanhóis brilharam na fase de qualificação, com grande equilíbrio nos números – 8 vitórias, 2 empates, nenhuma derrota, 31 gols pró e 5 contra – e mostrando um bom futebol nas vitórias por 5 a 0 contra a Romênia e 3 a 0 contra a Suécia. - Bill Connelly (@ESPN_BillC)


INGLATERRA: quem vai jogar no ataque?

São dois cenários para a Inglaterra na Euro 2020. O primeiro gira em torno de um saudável Harry Kane, liderando a linha de frente do time de Gareth Southgate e garantindo que eles justifiquem seu status como um dos favoritos antes do torneio. O segundo: Kane não se recupera completamente da lesão no tendão que o mantém afastado desde dezembro, e a Inglaterra entra no torneio sem o seu melhor jogador e capitão.

Para piorar, Marcus Rashford, o homem com maior probabilidade de preencher o vazio deixado por Kane, também está enfrentando sua própria batalha com lesões. Se Kane e Rashford estiverem em forma, a Inglaterra possui poder de fogo para vencer qualquer um. Sem eles, Southgate terá dificuldades para encontrar substitutos adequados. Jamie Vardy, do Leicester, não é uma opção, pois se aposentou da seleção em agosto de 2018, deixando jogadores como Tammy Abraham, do Chelsea, Callum Wilson, do Bournemouth, e Danny Ings, do Southampton, como substitutos em potencial.

A Inglaterra ainda possui uma força ofensiva pelos lados com Raheem Sterling, Jadon Sancho e Callum Hudson-Odoi, mas tudo depende de Kane estar em forma. - Mark Ogden (@MarkOgden_)


FRANÇA: a grande favorita, certo?

Claro que é. Les Bleus são atualmente vice-campeões europeus e campeões mundiais. Eles chegaram à final nos últimos dois grandes torneios e nenhum de seus adversários tem um registro melhor nos últimos quatro anos. Esta geração sonha em imitar (e superar) a versão de 1998/2000, que conseguiu a dobradinha Copa do Mundo/Eurocopa. Didier Deschamps era o capitão daquela época e, hoje no banco, lidera a equipe nesta Euro, sabendo exatamente o que dizer aos seus jogadores.

Igualmente, a maneira não importa, e a França será muito pragmática – de novo – em suas táticas. Deschamps certamente usará as mesmas ideias e mentalidade de sucesso na Rússia. No entanto, este será um time melhor, mais maduro e mais experiente do que em 2018. Você pode esperar que 80% dos jogadores que estavam na Rússia estejam lá novamente dois anos depois, e os possíveis novatos, como Kingsley Coman, Wissam Ben Yedder, Anthony Martial, Tanguy Ndombélé e Clément Lenglet, por exemplo, darão mais opções a Deschamps.

Kylian Mbappé, Hugo Lloris e Antoine Griezmann ainda serão os líderes. Ngolo Kanté e Raphael Varane também serão fatores-chave. Paul Pogba precisa voltar ao seu melhor. Ele tem três meses para isso. - Julien Laurens (@LaurensJulien)


ESPANHA: eles estão de volta ao topo?

Passei um tempo com o técnico da Espanha, Luis Enrique, pela UEFA.com, na semana passada, e saí dessa entrevista muito mais otimista sobre as chances de La Roja na Euro 2020 do que entrei. Uma conclusão a ser tirada da experiência é que estar na presença desse homem é sentir o pulso de sua notável energia, confiança e convicção.

Torneios são bestas estranhas e uma coisa é absolutamente clara. Um time precisa ser energizado, precisa "acreditar", precisa sentir que está sendo "abraçado", pois os principais jogadores se fundem em uma unidade de combate após uma temporada longa e brutal. "Lucho" pode adicionar tudo isso ao seu time? Acredito que sim.

Mas e as peças do quebra-cabeças? A imagem, para a Espanha, é confusa. É a primeira experiência do treinador em um torneio. Suas escolhas serão interessantes e testadoras.

Quais goleiros se juntam ao time? No momento, seus dois principais, Kepa Arrizabalaga e David De Gea, estão tendo problemas. Pau López, da Roma, pode aparecer, mas Luis Enrique optará por Unai Simón, o garoto promissor do Athletic Bilbao? Sergio Busquets ainda tem gasolina no tanque? E seja qual for o grupo que Luis Enrique convocar, eles têm a mentalidade "matadora" suficiente para imitar seus predecessores vencedores de 2008, 2010 e 2012? - Graham Hunter (@BumperGraham)


ITÁLIA: cedo demais?

Se você gosta de superstições e torce para a Itália, é improvável que você se sinta bem com a Euro 2020. Os resultados foram bons na fase de qualificação, e a seleção italiana, historicamente, se sai melhor quando está com as costas contra a parede. O medo do fracasso tem sido um grande motivador.

Há um otimismo silencioso em torno deste grupo e não apenas pelas excelentes atuações nas eliminatórias. Há um grupo de jovens jogadores – o goleiro Gigio Donnarumma, os meias Nicolo Barella, Stefano Sensi e Sandro Tonali, atacante Federico Chiesa – que causaram muita empolgação, embora o mais talentoso de todos, o meia Nicolo Zaniolo, possa perder o torneio por conta de uma lesão no ligamento sofrida em janeiro. E há veteranos como Leo Bonucci na defesa, Jorginho e Marco Verratti no meio-campo e o atacante Ciro Immobile, que fazem da Itália uma dura oponente.

A chave será como o técnico Roberto Mancini vai reunir tudo isso. Jogador muito talentoso, ele nunca conseguiu mostrar isso na seleção. Como treinador, ganhou títulos na Inter e no Manchester City antes de assumir o cargo na Itália, principalmente com jogadores experientes e uma abordagem relativamente ortodoxa. Mas, com a Itália, ele confia na juventude e em um espírito de ataque, uma mudança radical na Azzurra de outrora. - Gab Marcotti (@Marcotti)


ALEMANHA: a crise acabou?

Com exceção aos apelos públicos recorrentes para o retorno de Thomas Muller e Mats Hummels ao elenco, a Alemanha deixou de lado o sofrimento da Copa do Mundo de 2018. Esta é uma equipe que agora está em um ciclo diferente daquele que o viu triunfar no Brasil e depois pagar por sua complacência na Rússia.

Embora não haja como negar algum desconforto por conta do vencedor da Copa do Mundo, Joachim Low, continuar no cargo, o técnico de 60 anos merece crédito por iniciar outro ciclo. Ele reformulou a equipe com rostos jovens e percebeu que sua amada abordagem de posse pesada dos anos anteriores não funciona mais, e que a velocidade é crucial. É uma mudança que permitiu a nova qualidade florescer e alguns jogadores se tornarem familiares. Kai Havertz e Serge Gnabry surgem como opções, enquanto Joshua Kimmich, Leon Goretzka e Matthias Ginter são figuras-chave na liderança desta nova Alemanha.

A crença inútil do presidente da DFB (Federação Alemã de Futebol), Fritz Keller, de que a Alemanha precisa chegar, pelo menos, até as semifinais, acrescenta pressão desnecessária a um grupo jovem que deve tratar esse torneio como uma chance de crescer e não de se desafiar. - Jonathan Harding (@ JonBloggs66)

CORONAVÍRUS: como vai afetar o torneio?

O coronavírus, detectado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan, foi sentido principalmente pela Itália na Europa. No momento que a matéria é escrita, foram 52 mortes registradas por coronavírus no país, sendo a região norte da Lombardia a mais afetada. Vários jogos de primeira divisão foram adiados - incluindo o confronto entre Juventus e nter - com outras partidas sendo realizadas com portões fechados. A estreia do torneio será realizada em Roma, entre Itália e Turquia. Até agora, a Uefa não fez planos para mudar o local.

"A Euro 2020 começará em 12 de junho de 2020 em Roma", dizia um comunicado da Uefa. "A Uefa está em contato com as autoridades locais e internacionais relevantes a respeito do coronavírus e seu desenvolvimento. No momento, não há necessidade de alterar nada no cronograma planejado. A questão será mantida sob um constante exame minucioso.”

Outros países europeus afetados pelo coronavírus incluem a Suíça, onde os dois principais escalões do futebol foram suspensos até 15 de março. A Itália também viu outros esportes afetados, com partidas de rúgbi masculinas e femininas no Six Nations canceladas. - Andrew Cesare Richardson (@AndrewCesare)

VAR: vai funcionar direito na Euro 2020?

Esqueça a demora absurda para checar lances que vimos em várias ligas nesta temporada: o VAR na Euro 2020 deve ser muito mais rápido. Houve menos reviravoltas no sistema na fase de grupos da Champions League nesta temporada do que nas ligas domésticas. O VAR é aceito na UCL porque os árbitros - incluindo os da Premier League - "vendem" a decisão com o uso dos monitores de campo.

Mais importante ainda, o chefe dos árbitros da Uefa, Roberto Rosetti, insiste que o VAR é "apenas para erros claros e óbvios, e não para situações controversas". Espere uma Euro muito mais suave, mais alinhada com o que vimos na Copa do Mundo de 2018 masculina e na Copa de 2019 feminina do que na Premier League, por exemplo. - Dale Johnson (@DaleJohnsonESPN)

BÉLGICA: se Hazard não jogar, o sonho acaba?

Eden Hazard está em uma corrida genuína contra o tempo. Ele está desesperado para jogar a Euro com a Bélgica e, finalmente, levar esta geração de ouro ao topo do continente. No entanto, se a sua mais recente lesão no tornozelo o impedir de jogar, os Red Devils ainda terão talento suficiente para um campeonato de muito sucesso, começando com Kevin De Bruyne, é claro.

O melhor jogador do City é o herdeiro natural de Hazard na liderança da seleção. Ele está tendo uma temporada maravilhosa e alcançou novos patamares. De muitas maneiras, ele já é o chefe deste time, em um papel importantíssimo no 3-4-3 de Roberto Martínez. Ele também poderia subir para jogar ao lado de Dries Mertens e Romelu Lukaku. Ambos terão um papel fundamental a desempenhar, assim como vêm fazendo nos seus clubes. Mertens tornou-se o maior goleador de todos os tempos do Napoli, e Lukaku está fazendo chover na Serie A.

Mas talvez o melhor substituto para Eden seja seu irmão, Thorgan. Normalmente, ele joga mais como ala defensivo na Bélgica, mas Martinez tem outras opções por lá (Timothy Castagne, Thomas Meunier, Yannick Carrasco, Arno Verschueren, Nacer Chadli). Assim, Thorgan jogaria da mesma forma que no Borussia Dortmund e teria um grande desafio: ser “O Hazard” da Bélgica. - Julien Laurens (@LaurensJulien)

PORTUGAL: Ronaldo ainda tem o suficiente para defender seu título?

Avaliar a chance de Portugal em 2020 é simples: se Cristiano Ronaldo estiver pronto para o desafio (e ele costuma estar), eles têm todas as chances de defender a taça conquistada na Euro 2016. Não é apenas o fato de ele prosperar na competição - 40 dos seus 99 gols foram marcados na fase final ou nas eliminatórias -, mas ele desempenhou um papel essencial em seu primeiro título internacional quando chocou a França ao vencer há quatro anos. No entanto, ficou famoso após apenas 25 minutos da decisão, assistindo de muletas e dando a impressão de que estava "co-administrando" com Fernando Santos, enquanto Portugal superava Les Bleus na prorrogação.

Superado apenas por Harry Kane (12 gols) nas eliminatórias, Ronaldo terá muita ajuda de jogadores como João Félix, um trio de "lobos" famintos (João Moutinho, Ruben Neves e Diogo Jota estão prosperando com os Wolves na Premier League) e o craque do Man City Bernardo Silva. Mas em um grupo difícil, com França e Alemanha, não há margem para erros. (Ronaldo nunca marcou contra nenhum desses gigantes.) De fato, o caminho deles em 2020 é muito mais difícil do que o caminho para a glória da última vez, e Ronaldo tem quatro anos a mais em suas pernas. - James Tyler (@JamesTylerESPN)

AZARÕES: quais serão as zebras na Euro?

Dinamarca - Os campeões de 1992 estiveram a um gol de Matt Doherty (Irlanda) distante de vencer o seu grupo de qualificação, mas finalmente tiveram que se contentar com o segundo lugar atrás da Suíça, apesar de não perderem nenhum jogo durante a campanha.

A versão 2020 da Dinamarca pode não ter as personalidades e o toque boêmio da equipe que se tornou campeã na vizinha Suécia há 18 anos, mas o técnico Age Hareide construiu um time sólido, fisicamente capaz e funcional na Dinamarca. Eles provaram ser capazes de defender e atacar, com Christian Eriksen fornecendo a criatividade do camisa 10. O novo contratado do Barcelona, Martin Braithwaite, e Yussuf Poulsen, do RB Leipzig, oferecem ameaças de velocidade e de gols na formação de sua marca registrada: 4-2-3-1.

O sorteio não apenas tratou os dinamarqueses favoravelmente, com apenas a Bélgica no seu grupo, mas também desfrutou do privilégio de disputar as três partidas em casa, no Parken Stadium, em Copenhague. Eles devem ser capazes de derrotar seus rivais nórdicos, Finlândia e Rússia, para garantir uma vaga nas oitavas de final - e quem sabe eles podem até pegar "o espírito de 1992" no caminho.

Polônia - Após uma impressionante campanha de qualificação, os poloneses esperam imitar o desempenho de quatro anos atrás, ou talvez até melhorar, por que a Polônia está trazendo uma equipe forte perto do seu auge.

Goleiros sólidos raramente são um problema para a Polônia - Wojciech Szczescny é a escolha número um - e a parceria defensiva central de Kamil Glik e Jan Bendarek parecia sólida na fase de qualificação. É mais adiante que a verdadeira emoção começa. O meio-campista do Napoli, Piotr Zielinski, fornece visão e habilidade, enquanto o melhor centroavante do mundo, Robert Lewandowski, é uma garantia de gols - com outras opções de qualidade, como Arkadiusz Milik e Krzysztof Piątek, esperando nos bastidores.

Além de uma viagem assustadora para enfrentar a Espanha em Bilbao, a Polônia jogará na frente de um grande número de poloneses em Dublin, com a Suécia e um quarto país que entrará da repescagem. Com esta atual equipe polonesa sendo, possivelmente, a melhor desde a conquista da medalha de bronze na Copa do Mundo de 1982, não seria surpresa vê-la dificultando a vida das grandes seleções. - Tor-Kristian Karlsen (@tkkarlsen)

REPESCAGEM: quais times têm mais chances de conseguir a vaga?

Do caminho A, a Islândia deve passar pela Romênia para iniciar uma viagem à Hungria para o confronto de qualificação em Budapeste. Embora a Islândia tenha passado por um turbulento período pós-Copa do Mundo de 2018, eles devem passar pelas potências do meio do século 20 para sobreviver. No caminho B, podemos ter um histórico Irlanda x Irlanda do Norte, mas imagino que Bósnia e Herzegovina derrube a Irlanda do Norte em seu jogo, com a Irlanda fazendo o suficiente contra a Eslováquia para se classificar.

No caminho C, a lógica sugere que a Sérvia é a favorita, enquanto a Escócia possui o melhor lateral-esquerdo do mundo em Andy Robertson, mas a Noruega tem os fatores Erling Haaland e Martin Odegaard. Embora a Sérvia seja a favorita para avançar esse caminho, seria muito interessante ver Haaland em campo. Portanto, a Noruega de Haaland deve passar. E, finalmente, no caminho D, o grupo de nações independentes, como seria maravilhoso ter o Kosovo por ali. Jogue uma moeda para este caminho, mas Kosovo tem o suficiente para derrotar Geórgia, Bielorrússia e Macedônia do Norte.

Portanto, as quatro equipes que devem ir para a Euro 2020 são: Islândia, Irlanda, Noruega e Kosovo. - Tom Hamilton (@TomHamiltonESPN)