<
>

Após sucesso de Jesus, técnicos estrangeiros no Brasil sofrem em seus clubes no começo do ano

play
Mauro: Modismo? Jesualdo, Dudamel e Coudet tem dificuldades iniciais, mas estrangeiros fazem bem ao Brasil (2:13)

Assista à análise do comentarista sobre o início da temporada 2020 dos treinadores de Santos, Atlético-MG e Inter (2:13)

Uma das maiores polêmicas no futebol no Brasil foi a discussão "técnico estrangeiros x locais", potencializada pelos sucesso de Jorge Jesus, que coleciona títulos de forma meteórica no Flamengo, e Jorge Sampaoli, vice-campeão do Brasileiro com um elenco limitado do Santos.

Chegou ao fim 2019, veio 2020, e diversos times resolveram apostar nos "gringos" como antítese aos técnicos brasileiros. Porém, passados pouco menos de dois meses do calendário do futebol brasileiro, nem todos conseguiram repetir o sucesso de Jesus e Sampaoli.

Mal chegou e já foi

Augusto Inácio foi anunciado como técnico do Avaí ainda em dezembro. Mas ele comandou o time em apenas 7 partidas (duas vitórias, quatro derrotas e um empate) antes de ser demitido no dia 14 de fevereiro.

E a saída não foi nada pacífica. Inácio criticou fortemente a comissão técnica do Avaí, bem como a diretoria.

“Não falamos, cada um tem a sua vida. O Flamengo está a ganhar, ganhar, ganhar, Jesus é um nome incontornável, está nem um um momento muito bom, mas todos os outros treinadores, sejam portugueses ou não, não têm hipótese nenhuma porque são logo despedidos”, analisou.

"Boicotaram um pouco o meu trabalho. A equipe estava começando a engrenar. Eles não querem um treinador que seja português ou brasileiro, querem um milagreiro e eu milagres não faço. Saio desgostoso porque estive lá pouco tempo e não consegui fazer mais, mas o problema não está no treinador português, não está no Augusto Inácio, está incorporado lá dentro", completou.

play
2:51

Bertozzi coloca eliminação para o Afogados como um dos maiores vexames da história do Atlético-MG e vê diretoria como principal culpada

Após um 2 a 2 no tempo regulamentar, Galo caiu da Copa do Brasil nos pênaltis

Rafael Dudamel chegou no início do ano ao Atlético-MG credenciado pelo bom trabalho à frente da seleção da Venezuela. Mas o começo de ano no Galo foi trágico. Foram quatro vitórias, quatro empates e duas derrotas, mas também eliminações na primeira fase da Copa Sul-Americana e na segunda fase da Copa do Brasil para o Afogados. E Dudamel não resistiu, sendo demitido junto com Rui Costa, diretor de futebol, e Marques, gerente.

Na berlinda

play
2:01

Birner vê Jesualdo 'candidatíssimo' a ser demitido no Santos: 'Se for, vou entender'

Comentarista considera o futebol do time paulista muito abaixo do esperado

Jesualdo Ferreira estava trabalhando como comentarista em Portugal e chegou ao Santos com a dura missão de substituir Sampaoli, e com um elenco mais enfraquecido. O português conquistou títulos com o Porto e vinha tendo sucesso no Catar, mas seu começo de ano no Peixe tem sido criticado. São três vitórias, dois empates e duas derrotas. E já foi noticiado pela imprensa que a diretoria santista já cogita demitir o treinador. Uma derrota contra o Palmeiras no fim de semana pode agravar a crise.

A exceção... por enquanto

Eduardo Coudet assumiu o Internacional depois de uma longa negociação, deixando o Racing-ARG.

De todos os "novos" estrangeiros no futebol brasileiro em 2020, Eduardo Coudet é o que demonstrou o melhor trabalho até aqui. São seis vitórias, três empates e apenas uma derrota. O problema? O revés foi justo para o Grêmio em pleno Beira-Rio na semifinal do primeiro turno do Campeonato Gaúcho. Mas, acima, de tudo, Coudet cumpriu sua missão nos primeiros dias à frente do Inter: colocou o Colorado na fase de grupos da Libertadores após dois mata-matas.

Porém, o Inter está no grupo do Grêmio. E mais resultados negativos diante do maior rival certamente não fariam bem ao início de trabalho do argentino.