<
>

São Paulo deveria ter feito sete gols a mais e ser melhor ataque do Paulista: a matemática explica

O São Paulo entra em campo neste sábado diante do Oeste, pelo Campeonato Paulista, buscando encerrar sua grande sina no ano até o momento: criar chances e perder os gols.

A equipe de Fernando Diniz é a que mais finaliza em toda competição (foram 128 chutes), mas tem apenas o sétimo melhor ataque, com seis gols. Essa conta fica ainda pior ao se usar uma estatística avançada: os Gols Esperados, mais conhecidos pelo nome em inglês Expected Goals.

Clique aqui e entenda o que é e como funcionam os Gols Esperados (Expected Goals)

O cálculo matemático feito pela ferramenta exclusiva da ESPN, o TruMedia, mostra que o São Paulo deveria ter mais que o dobro de gols anotados e ser o melhor ataque do Campeonato Paulista, com pouco mais de 13 gols. Para ser exato, a estatística Gols Esperados do time tricolor é de 13,34.

Isso significa que, pela natureza das chances de finalização que o São Paulo criou, os jogadores deveriam ter feito sete gols a mais do que fizeram. De fato, os arremetes tem sido uma verdadeira deficiência na equipe.

O clube tricolor é quem lidera a competição na estatística de Gols Esperados, seguido de perto por outro time que desperdiça muitos gols – o Red Bull Bragantino. O clube recém-promovido à primeira divisão nacional tem 12,43 Gols Esperados, mas balançou as redes apenas cinco vezes, o que também resulta num déficit de sete gols.

Para efeito de comparação, o Santos tem tantos gols quanto o São Paulo na competição – são seis – mas criou chances que deveriam render apenas cinco tentos (o time praiano tem 5,10 Gols Esperados, a antepenúltima marca da competição).

Quem se destaca pela qualidade do arremate é o Palmeiras. A equipe fica em quarto na estatística Gols Esperados, com 11,05, mas já anotou 13 tentos. É o melhor ataque da competição e tem dois gols acima do que deveria, segundo o cálculo.

Entenda como funciona o Expected Goals

A estatística Gols Esperados (Expected Goals) é o resultado de um cálculo que projeta quantos gols uma equipe deveria marcar baseado na qualidade de cada chance criada para finalização.

A ferramenta compara todas as finalizações já feitas em cada um dos mais de 55 mil jogos presentes no ESPN TruMedia, banco de dados exclusivo da ESPN no mundo, e leva em consideração variáveis como região do campo de onde partiu o chute, distância para o gol, ângulo, jogadores à frente e outros critérios, e classifica cada tipo de finalização, atribuindo a ela uma porcentagem padrão de chance de que ela se torne um gol.

Um chute dado mais próximo do gol terá uma probabilidade maior de se converter em gol em relação a um da intermediária. Cada pênalti, por exemplo, é considerado “0,77” de gol. Ou seja, se o jogador errar, vai subtrair 0,77 de seus “gols esperados”; se marcar, estará “0,23 acima do esperado”.

Atletas com grande qualidade de finalização, como Cristiano Ronaldo, Lionel Messi ou Neymar geralmente têm esta estatística positiva, porque costumam fazer gols difíceis e não costumam perder chances claras.

Conforme o campeonato passa, cada finalização vai somando ao total de gols esperados de uma equipe. Esta é uma forma matemática de calcular quão reais são as chances de gol de uma equipe, afinal, nem toda finalização representa a mesma possibilidade de fazer um gol.

Desta maneira, é possível comparar quantos gols uma equipe deveria ter marcado, baseado na qualidade das chances que criou, com quantos gols ela, de fato, marcou.

Por exemplo, se uma equipe tem 15 Gols Esperados e anotou 17 gols na realidade, ela está finalizando melhor do que o normal. Se ela, porém, anotou apenas 13 gols, está finalizando pior do que deveria.