<
>

Neymar, Mbappé, grana na conta e dono bilionário: veja por que PSG lidera ranking de maior potência financeira do futebol

play
Neymar ir para desfile antes da Champions é um problema? 'Uma grande bobagem essa discussão', diz Nicola (1:27)

Brasileiro foi a evento na Alemanha quatro dias antes de oitavas de final da Liga dos Campeões (1:27)

O Paris Saint-Germain desbancou o Manchester City no topo da lista de maiores potências financeiras do futebol, segundo o Football Finance 100 – lista feita anualmente pela Soccerex, companhia britânica voltada para estudar os negócios do esporte, que usa elaboradas métricas para ranquear os 100 maiores times do mundo em questão de dinheiro.

A lista de 2020, divulgada nesta sexta-feira (14) está apenas em sua terceira edição, sendo que as duas primeiras (2018 e 2019) foram lideradas pelo Manchester City.

Entre os fatores avaliados pelo Football Finance Index (FFI - métrica utilizada) estão os ativos esportivos, os ativos tangíveis, o dinheiro na conta, o potencial de investimento do dono e a dívida líquida. Tudo isso gera uma pontuação FFI. A do PSG foi de 5318, enquanto a do City foi de 5197.

Não por acaso, o poderio financeiro de ambos os clubes vem diretamente de seus donos, que injetaram valores extraordinários para montar elencos que valem mais de 1 bilhão de euros cada (R$ 4,6 bilhões). No caso do PSG é fácil compreender isso, já que só Neymar e Mbappé juntos somam o valor de 360 milhões de euros (R$ 1,6 bilhão), segundo o Transfermarkt.

O principal motivo do PSG passar o City na lista foi o cuidado com as dívidas. Enquanto os franceses diminuíram as perdas em 70 milhões de euros, os britânicos aumentaram em 90 milhões. Não só isso, algo que também fez diferença foi o valor anual cinco vezes maior dos franceses em reservas de caixa.

O resto da lista

Na sequência do top 10, vêm Bayern, Tottenham, Arsenal, Chelsea, Liverpool, Real Madrid, Juventus e Dortmund. Sentiu falta de alguém? Pois é. O Barcelona ocupa apenas a 12ª colocação. Quem também chama atenção pela posição é o Manchester United, em 16º (abaixo, por exemplo, do Guanghzou Evergrande, da China) e o Milan, em 34º.

Os únicos sul-americanos que entram na lista são os argentinos River Plate (91º) e Boca Juniors (95º) – nem sinal de brasileiros.