<
>

Malcom fala de racismo na Rússia e crise no Barcelona: 'Messi esconde alguns problemas do clube'

Jogador do Barcelona por um ano, Malcom chegou ao Zenit em agosto do ano passado e passou por alguns problemas na Rússia, sofrendo com racismo de parte dos torcedores em sua estreia. Em duas entrevistas concedidas nesta quinta-feira, o atacante falou sobre sua carreira, os problemas na Europa, a crise no clube catalão e o papel de Lionel Messi.

Em entrevista ao Marca, jornal espanhol, o brasileiro falou sobre o seu tempo no Camp Nou e disse que 'não se sentiu incompreendido na Catalunha'.

"Não, não. Incompreendido nunca. Eu saí bem do Barcelona. Só queria jogar futebol, todos os jogadores profissionais querem jogar e o Zenit queria que eu jogasse. Não tive problemas, nem saí com problemas", comentou.

Malcom também falou sobre a crise que o Barcelona vive. "O Barça tem grandes jogadores. O Barcelona pode ficar tranquilo porque quem entra em campo é sempre bom, lá só tem grandes jogadores", comentou.

Quando perguntado se a qualidade de Messi esconde problemas do Barcelona, o brasileiro seguiu essa linha. "Sim, alguns sim. Mas assim como Leo, tem Suárez, Griezmann, Rakitic, De Jong, Arthur, Vidal... vários jogadores. Não é só Messi, é o grupo. Leo é o melhor jogador do mundo, às vezes faz loucuras e ajuda muito o Barça. Por isso às vezes quando falam de Barça falam de Leo".

Em entrevista exclusiva ao Yahoo Esportes, o brasileiro falou sobre a sua chegada ao Zenit e também sobre o episódio de racismo que sofreu quando torcedores levaram uma faixa protestando contra a chegada do brasileiro em sua estreia diante do Krasnodar.

"Vim aqui para ajudar. São pessoas más no meu ponto de vista, mas estou bem tranquilo", disse. "Minha vontade é sempre estar jogando, mas sei que não estou 100% ainda. Sei que preciso melhorar fisicamente. Agora com estes amistosos, estou ganhado minutos, e com isso tudo vai acontecendo passo a passo até chegar ao dia 29 (data da volta do Campeonato Russo)", finalizou.