<
>

Após eliminação do Corinthians, árbitro é pressionado por dirigentes e clima esquenta na Arena

Tão logo acabou a partida entre Corinthians e Guaraní, do Paraguai, na noite desta quarta-feira, que decretou a saída precoce do clube brasileiro da Copa Libertadores, o árbitro Nestor Pitana e a equipe que trabalhou no jogo passou a sofrer pressão.

Primeiro na saída do gramado, com torcedores que estavam no setor oeste os xingando. Depois por um dirigente do clube, acompanhando de alguns seguranças, que se aproximaram do grupo também com ofensas e gritos.

A imprensa não teve acesso ao local, mas do lado de fora, no corredor de acesso, mesmo com portas fechadas, era possível ouvir os gritos do cartola corintiano.

A Polícia Militar teve trabalho. Acabou se posicionando do lado de fora do vestiário da arbitragem para dar segurança.

Pitana cometeu um erro no lance que acabou resultado no gol dos paraguaios. Ele marcou falta de Gil em Bobadilla perto da risca da grande área. Mas o corintiano nem sequer acertou o rival. Na cobrança da falta, Fernando Fernandes marcou.

Como havia perdido por 1 a 0 no Paraguai, o Corinthians precisava de mais um gol para se classificar. Não conseguiu.

Até a publicação deste texto ninguém, do Corinthians ou da arbitragem ou da Conmebol, havia se manifestado.