<
>

Corinthians fracassa na 1ª meta da temporada e terá 'respiro que não queria' após maratona de início de ano

Apesar de apenas 43 dias do ano terem se passado, o Corinthians já fracassou em uma das metas da temporada. Caiu na segunda fase preliminar da Copa Libertadores na última quarta-feira, competição em que projetava chegar ao menos as oitavas de final.

A equipe ainda tem outros três torneios em disputa no ano. O Campeonato Paulista, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro. As metas para eles também são modestas. Respectivamente, prevê alcançar ao menos semifinal, oitavas de final e sétimo lugar, posição que assegura vaga na Copa Sul-Americana de 2021.

Tudo consta no orçamento da temporada 2020, o que fez a direção corintiana ser criticada exatamente por ter feito projeções conservadoras nos torneios.

Não é que a diretoria não quer ir além. A explicação é que, ao fazer o exercício de orçamento, o pensamento foi pensar situações coerentes com a realidade financeira da equipe, evitando prometer grandes objetivos que necessitariam de investimentos maiores e consequentemente aumento da dívida.

Internamente a crença é que dá para fazer melhor. A busca pelo título Estadual é um exemplo. Chegar mais longe da na Copa do Brasil e brigar por pelo menos uma vaga na fase preliminar da Copa Libertadores do ano que vem (o que significa ficar entre os seis primeiros). Situações que também ajudariam os cofres do clube.

Chegar mais longe na Libertadores desse ano também era desejado, ainda que não fosse o que foi escrito no orçamento. A eliminação precoce incomodou, a ponto de um dos diretores ter xingado o árbitro do jogo contra o Guaraní, do Paraguai, na área interna da Arena Corinthians, na quarta.

Contudo, não gerou grandes traumas como no passado.

"A gente prévia chegar até as oitavas da Libertadores, realmente, mas não deu. Não é sempre que o time vai jogar bem, ganhar. Futebol é assim. Vocês cobram agora. Mas se formos campeão lá na frente tudo isso será esquecido", disse o mandatário para os jornalistas.

"O planejamento do Corinthians continua. Tem o lado ruim de sair da Libertadores, mas tem o lado bom, que é ter mais tempo para treinar", afirmou depois.

De fato, a equipe do técnico Tiago Nunes terá um respiro inesperado, mas que pode ser útil após uma maratona.

Desde que estreou na temporada, o time jogou em todas as datas de meio e de final de semana. Se considerarmos as duas partidas na Florida Cup para pré-temporada, a maratona aumenta. O Corinthians fez dois jogos em cada uma das cinco semanas. E o ano teve sete semanas até agora.

A maratona prosseguirá até o próximo sábado, quando a equipe jogará com o São Paulo, no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Paulista. Depois vai ter um grande respiro, com sete partidas dividadas em um mês e meio.

A derrota vexatória em casa vai dar possibilidade para Tiago Nunes focar na meta que recebeu do presidente.

"Quando eu fui contratado, perguntei para a direção qual era o motivo da minha contratação. O presidente foi muito claro. Ele disse que era para mudar uma cultura de futebol e olhar para a base. Isso temos feito, colocamos vários jovens atletas para jogar. Estou tentando praticar um tipo de jogo que leva um tempo maior", disse.