<
>

Para levar decisão com o City aos pênaltis, United precisa de vitória que não acontece há 15 anos

O Manchester United entra em uma situação bastante adversa para conseguir a classificação à final da Copa da Liga Inglesa.

Os Red Devills visitam o Manchester City no Etihad Stadium, às 16h45 (de Brasília) desta quarta-feira, pela volta da semifinal, depois de terem perdido por 3 a 1 em casa. A partida terá transmissão da ESPN e WatchESPN.

Para conseguir a classificação, o time de Ole Guunar Solskjaer precisa vencer por três gols de diferença, algo que não consegue na casa do rival desde fevereiro de 1995.

Na ocasião, o United venceu por 3 a 0 com gols de Paul Ince, Andrei Kanchelskis e Andy Cole, todos marcados no segundo tempo.

O técnico Sir Alex Ferguson mandou a campo: Peter Schmeichel, Steve Bruce, Gary Pallister, Denis Irwin, Phil Neville, Paul Ince, Andrei Kanchelskis, Lee Sharpe, Ryan Giggs, Brian McClair e Andy Cole. No segundo tempo, David May e Paul Scholes entraram em campo.

Já pelo City, o treinador Brian Horton escalou Tony Coton, Keith Curle, Ian Brightwell, Alan Kernaghan, David Birghtwell, Peter Beagrie, Maurizio Gaudino, Paul Walsh, Garry Flitcroft, Nicky Summerbee e Uwe Rösler. O único atleta a sair do banco foi Niall Quinn.

Se for considerado o resultado suficiente para levar a decisão aos pênaltis, o Manchester United precisaria vencer por dois gols de diferença, o que não alcança no território rival desde fevereiro de 2005, quando triunfou por 2 a 0, com gols de Wayne Rooney e Richard Dunne (contra).

Naquele jogo, Sir Alex Ferguson teve o seguinte time: Roy Carroll, Gary Neville, Gabriel Heinze, Rio Ferdinand, Wes Brown, John O'Shea, Roy Keane, Paul Scholes, Darren Fletcher, Quinton Fortune e Wayne Rooney. Saíram do banco Phill Neville, Ryan Giggs e Cristiano Ronaldo.

Já pela equipe mandante, o treinador Kevin Keegan tinha escalado David James, Ben Thatcher, Sylvain Distin, Danny Mills, Richard Dunne, Kiki Musampa, Steve McManaman, Joey Barton, Shaun Wright-Phillips, Robbie Fowler e Antoine Sibierski. Foram utilizados também Jonathan Macken e Bradley Wright-Phillips.

Vale lembrar que o gol fora de casa não é um critério de desempate e não há prorrogação.