<
>

Premier League: A meta de cada um dos 20 times para o segundo semestre da temporada

Já estamos no segundo turno da Premier League 2019-20, e as realidades de cada time na competição vão ficando cada vez mais claras.

O ESPN.com.br apresenta abaixo quais são os objetivos das equipes até o fim da temporada. Claro, tratam-se de metas plausíveis dentro do cenário para cada um.

No momento, a competição é liderada pelo Liverpool, com 58 pontos, 13 a mais do que o Leicester City, que ainda tem um jogo a mais. O atual bicampeão Manchester City vem na sequência com 44 pontos. Os três últimos são Bournemouth (20), Watford (19) e Norwich City (14).

Arsenal

Com a chegada de Mikel Arteta, treinador que faz seu primeiro trabalho como técnico principal, o mais importante agora é paciência. Mais do que objetivos no campeonato, os Gunners precisam estabelecer um padrão de jogo, ganhar uma cara. Além disso, pensar em título da Liga Europa não é nada absurdo.


Aston Villa

Entre chegadas e saídas de atletas, o Aston Villa foi o que mais gastou nesta Premier League, com quase 150 milhões de euros. Considerando este número e sua arrancada na metade final da última Championship, ficar na primeira posição fora da zona de rebaixamento é bem abaixo do esperado. Evitar a queda e manter Jack Grealish ao menos até o fim da temporada são pontos fundamentais para o clube.


Bournemouth

Nas quatro primeiras campanhas desde que chegou à Premier League, o time teve campanhas sólidas, ficando entre nono e 16º. Se repetir o 16º lugar em 2019-20 não seria nada mal.


Brighton

A equipe não frequentou a zona de rebaixamento uma vez sequer em 2018-19 e terminou na 17ª posição, com dois pontos a mais do que o Cardiff, que caiu. Repetir o feito já estaria de bom tamanho.


Burnley

Depois de um impressionante sétimo lugar em 17-18, o que rendeu uma classificação à Liga Europa, o Burnley brigou ferozmente contra a relegação na temporada seguinte. O decorrer de 19-20 e o seu nível técnico mostraram que a tendência é a repetição de 18-19 até o fim do campeonato.


Chelsea

Mesmo sem poder contratar e perdendo Eden Hazard, sua grande referência técnica, o Chelsea conseguiu fazer um grande primeiro turno e apresentando um futebol interessante. Agora podendo se reforçar, os Blues entram como azarões nas oitavas da Champions e têm como grande meta manter um lugar no G-4 do Inglês.


Crystal Palace

Manter o tão desejado Wilfred Zaha seria uma vitória enorme para o time que faz grande campeonato. Roy Hodgson pode até ver seu time perder algumas posições, sendo que terminar em uma zona intermediária já poderia ser visto como um bom desempenho.


Everton

Sem mais competições europeias, nem copas nacionais, o Everton tem no restante da temporada apenas 17 jogos pela Premier League. Com um elenco qualificado, uma mentalidade ambiciosa e a chegada de um ótimo treinador como Carlo Ancelotti, a meta tem de ser uma vaga na Liga Europa.


Leicester

Disputando com o Sheffield United o prêmio de grande surpresa inglesa na temporada, o time de Brendan Rodgers, com a vantagem criada, decepcionaria se não conseguisse terminar a Premier League na zona da Champions. Além disso, a equipe é favorita na briga por uma vaga na final da Copa da Liga, ainda que tenha empatado em casa na ida da semi com o Aston Villa por 1 a 1.


Liverpool

Ser campeão é obrigação depois da vantagem que abriu. Os Reds ainda podem pensar em quebrar o recorde de pontos (100 do Manchester City em 2017-18) e ser o terceiro campeão nacional invicto, depois de Preston North End em 1888-1889 e Arsenal em 2003-04.


Manchester City

O tricampeonato parece praticamente impossível tendo em vista o desempenho surreal do Liverpool. Assim, ser vice é a realide, mas o objetivo mesmo está além da fronteira. Está na hora de o clube alcançar uma inédita final de Champions League - Pep Guardiola também não consegue isso desde 2011.


Manchester United

O quinto lugar até soa como lucro tendo em vista o nível do desempenho coletivo do United. Sob o comando de Solskjaer, jogadores como Rashford, Fred e McTominay até cresceram, mas os Red Devills ainda carecem de um jogo com mais alternativas. Isso está acima do que uma vaga na Champions.


Newcastle

Um time que não empolga e que tem futebol muito mais para evitar a queda do que pensar em terminar na metade de cima da tabela. Manter seu 13º lugar até o fim da liga não seria uma má ideia.


Norwich

A sete pontos de distância para o primeiro time fora da zona de rebaixamento, evitar a queda já seria um feito notável para o atual campeão da segunda divisão.


Sheffield United

A situação é parecida com a do Crystal Palace, só com a diferença que sua campanha é ainda mais surpreendente. É bem provável que o Sheffield estivesse como um rebaixado nos palpites de boa parte dos fãs de Premier League. O primeiro turno, naturalmente, fez a expectativa sobre o Sheffield aumentar, mas se conseguir evitar o rebaixamento sem sorer qualquer susto já terá sido motivo para aprovar sua temporada de retorno à Premier League.


Southampton

Depois de ter ficado em décimo ao término da quinta rodada, o 12º lugar atual é seu melhor momento no campeonato. Vindo de três vitórias e um empate, o Southampton pode focar em chegar nas últimas rodadas sem temer o fantasma do rebaixamento. Nada mal para quem levou um 9 a 0 há menos de três meses.


Tottenham

Título é um desejo de qualquer clube, ainda mais para um time grande que levantou sua última taça na Copa da Liga de 2008. Neste cenário, a Copa da Inglaterra é uma alternativa viável. Além disso, José Mourinho tem como missão recuperar o bom futebol de seu começo no clube e sobretudo diminuir a quantidade de gols sofridos. Vaga na Champions não é tarefa simples, mas é dever dos Spurs ao menos lutar por um lugar no G-4 até o fim do campeonato.


Watford

Depois de um início trágico na competição que causou a demissão de dois técnicos (Javia Gracia e Quique Sánchez Flores), o time vem de três vitórias e um empate, deixou a lanterna e viu a meta de seguir na elite ser bem possível.


West Ham

Assim como o Aston Villa, o West Ham entrega menos do que se esperava, tanto que Manuel Pellegrini acabou trocado por David Moyes. Apenas se manter na elite é uma meta pouco ambiciosa. O time tem totais condições de terminar em uma posição intermediária - e até terminar na metade superior da classificação.


Wolverhampton

Depois de um ótimo sétimo lugar na edição passada, o time de Nuno Espírito Santo vem repetindo o feito. Mesmo que caiam algumas posições, se os Wolves terminarem entre os dez primeiros seria um desempenho satisfatório.