<
>

Mestre dos negócios! Em seis meses, Atalanta vende três jogadores e lucra quase meio bilhão de reais

Times de futebol não são máquinas de fazer dinheiro, mas certas equipes são especialistas em comprar barato e vender caro. É o caso da Atalanta, principalmente nos últimos meses.

Giovanni Sartori e Gabriele Zamagna, diretores de futebol do clube italiano, acertaram três tiros certeiros e simplesmente transformaram R$ 7,5 milhões em R$ 436 milhões.

Com a venda de Dejan Kulusevski oficializada, é só somar as cifras aos negócios feitos com Franck Kessié e Bryan Cristante para ver a mágica acontecer.

Vamos começar pelo fim. Kulusevski é um garoto sueco de 19 anos que foi vendido à Juventus por 35 milhões de euros (R$ 159 milhões) na primeira semana de 2020. Em 2016, a Atalanta o contratou por 165 mil euros (R$ 749 mil) do Bromma FC, quando ele era um jogador sub-17.

Franck Kessié já estava no Milan há duas temporadas, mas pertencia ao time de Bérgamo. No meio de 2019, foi fechada a contratação por 24 milhões de euros (além dos 8 milhões de euros do empréstimo pelos últimos anos). No total, o time recebeu 32 milhões de euros (R$ 145 milhões), mas gastou apenas 1,5 milhão de euros para contratá-lo em 2015, do Stella Club.

Por fim, Bryan Cristante foi emprestado pelo Benfica em janeiro de 2017, e em julho de 2018 a Atalanta o contratou por 5 milhões de euros (R$ 22 milhões). No mesmo mês, o meia foi emprestado para a Roma pelos mesmos 5 milhões de euros (R$ 22 milhões), e após uma temporada, em julho de 2019, foi vendido em definitivo por 25 milhões de euros (R$ 113 milhões).

Assim sendo, em seis meses o clube recebeu R$ 436 milhões e lucrou quase R$ 430 milhões.