<
>

Resgate de futebol ofensivo, "pré-Felipão", é argumento de defensores de Luxemburgo no Palmeiras

play
Não sou Santos Dumont, jogar bocha, X-9, tem que ser malandro e mais: as frases marcantes de Luxa no Vasco (2:19)

Treinador não chegou a acordo por renovação e deixou o clube carioca (2:19)

Existe uma corrente influente de conselheiros no Palmeiras que vê Vanderlei Luxemburgo como alguém capaz de voltar a implantar futebol ofensivo no time.

E, como desde a saída de Alexandre Mattos, o clube social voltou a ter poder de opinião no futebol, o pensamento dos cardeais palestrinos tem peso neste momento.

Entende-se, na Rua Palestra Itália, que o campeão paulista de 2008 é aquele que pode erradicar o "estilo Felipão" do clube - leia-se "pragmatismo" - ou resultadismo, como o próprio Scolari prefere.

"O Palmeiras sempre se notabilizou por propôr jogo, ser ofensivo. E virou o oposto disso", diz um conselheiro que garantiu que defenderia a contratação de Vanderlei junto a Mauricio Galiotte, mas que preferia não ser identificado.

"Para não gerar ainda mais pressão no Mauricio", afirmou. "Ainda não o vi hoje, mas vou encontrar", revelou.

Renato Gaúcho é outro nome defendido nas alamedas do clube, pelas mesmas razões de Luxa: jogar bonito e "para frente". Mas entende-se que sua saída do Grêmio seria muito difícil.

Além de Luxemburgo, com o fim das negociações com Sampaoli, o Palmeiras estuda o nome de Miguel Angel Ramírez, do Independiente Del Valle, do Equador.