<
>

Ex-São Paulo e Cruzeiro, Edimar foi pupilo de Jorge Jesus e agora é campeão da Série B pelo Bragantino

play
Jorge Jesus brinca sobre assédio ao seu trabalho e responde se Flamengo é o melhor time que já treinou (1:29)

Técnico também citou o primeiro time montado por ele no Benfica (1:29)

Assim que foi apresentado no Braga, de Portugal, Edimar foi chamado para ir a sala do técnico Jorge Jesus para uma primeira conversa em particular. Após os dois se apresentarem, o português já ligou um vídeo de um jogo do Tupi-MG, ex-equipe do lateral, válido pelo Campeonato Mineiro de 2008.

No duelo contra o Atlético-MG, válido pela semifinal da competição, no Mineirão, o jogador se destacou e fez um belo gol de falta na derrota suada do clube de Juiz de Fora por 2 a 1.

"O Jesus me disse: 'Eu estava assistindo esse jogo e te trouxe por causa deste gol e por esta partida que você fez. Vi que você tinha muita qualidade e por isso que pedi sua contratação'", contou o jogador, ao ESPN.com.br.

"O Jesus assistia desde a 1ª até a 4ª divisão do Brasil. Ele adora os jogadores brasileiros. Ele nos considera os melhores do mundo e acho que já tinha o desejo de vir trabalhar aqui", admitiu.

Ainda jovem e franzino, Edimar costumava cair muitos nos treinos. Por isso, era cobrado pelo treinador para ser um jogador mais duro e firme nas divididas.

"Ele tem um jeitão muito durão no dia a dia dentro de campo. Ele cobrava bastante, mas me dava muita moral. Quando me dava alguma dura, ele me levava depois para a academia e me explicava: 'Edimar, você tem tudo para ser um grande jogador de futebol. Mas precisa mudar algumas coisas'", recordou o lateral.

O brasileiro diz que Jesus lhe dava liberdade para atacar, mas também exige obediência.

"Você precisa cumprir a parte tática à risca. Nos treinos, ele marcava sua posição com estacas no campo. Depois dos jogos, ele mostrava os vídeos. Se você estivesse um pouquinho fora da linha certinha dele de defesa, ele dava dura. O Jesus te dá condições para melhorar. Alguns jogadores normais viraram grandes na mão dele", disse.

Durante a temporada que jogou pelo Braga, Edimar acredita que melhorou muito trabalhando com o Mister.

"Eu tinha muitas dúvidas sobre o meu próprio potencial. Eu sabia que tinha qualidade porque tive base no Cruzeiro, mas precisava entender o que o Jesus me falava para as coisas acontecerem. Virei um jogador mais forte na parte tática e psicológica depois que trabalhei com ele", afirmou.

"É um cara muito correto e de caráter. Ele tem um grande coração. Gosta de saber como está o jogador", elogiou.

Campeão da Série B

Após deixar o Braga, Edimar passou por Cluj (Romênia), Xanthi (Grécia) Rio Ave (Portugal), Chievo (Itália), Córdoba (Espanha) e Cruzeiro antes de chegar ao São Paulo, em 2017.

"Minha estreia contra o Vasco foi especial porque fiquei uns quatro meses sem jogar por causa de uma lesão. Conseguimos ir bem om o Dorival Jr. e engatamos uma sequência boa. Eu acho que a minha passagem pelo São Paulo foi muito boa para pela experiência de trabalhar em um dos maiores clubes do mundo. Apesar de ter enfrentado momentos complicados, foi fantástico. Me ajudou muito", analisou.

Edimar chegou a ter oferta do Goiás, mas permaneceu no Morumbi. Após perder espaço neste ano, ele foi contratado pelo Bragantino.

"Eu já tinha trabalhado com o Thiago Scuro [CEO do Bragantino] no Cruzeiro, que pediu minha contratação. Eu precisava respirar novos ares e não tinha como negar o ótimo projeto do Bragantino. Foi uma das melhores escolhas que fiz", admitiu.

O lateral de 33 anos fez parte da equipe que venceu a Série B do Brasileiro.

"O ano começou muito ruim, mas terminou de forma espetacular. Quando sai do São Paulo algumas pessoas me questionavam. Mas acho que foi ótimo para minha carreira porque consegui mostrar meu futebol, joguei com alegria e fomos campeões. Fui muito feliz", explicou.

"Espero que o sucesso possa ser duradouro porque o projeto é muito sério e sólido. Ano que vem o Bragantino será a grande surpresa do Brasil", finalizou o lateral, que tem contrato até 2021 com o clube.