<
>

Estudo analisa repercussão do título do Flamengo na Libertadores

O título do Flamengo na Libertadores, no último sábado, repercutiu no mundo todo. Com recorde de audiência, países de todos os continentes assistiram o Rubro-Negro levantar a taça. Um estudo feito pelo Ibope Repucom mostrou o impacto do duelo contra o River Plate nas plataformas digitais.

A pesquisa abrangeu os dias 18 a 24 de novembro, pegando desde o início da semana até o dia da decisão. Foram registrados, neste período, mais de 12,3 milhões de publicações sobre a competição nas redes sociais do mundo todo.

O maior volume de comentários aconteceu justamente no sábado, principalmente entre 20h e 21h, quando os torcedores rubro-negros comemoravam o título com mais de 1 milhão de posts.

Dos 4,8 milhões de publicações em que era possível identificar a localização, 90% se concentraram em cinco países de três continentes diferentes. Como esperado, o Brasil liderou com 76% de participação, seguido por 7% da Argentina, 4% dos Estados Unidos, 2% de Portugal e 1,2% na Colômbia.

“Para os fãs de futebol, as mídias sociais são um verdadeiro exercício de sua paixão, e vimos isso com enorme intensidade neste final de semana. Quem gritou mais alto, definitivamente, foi o futebol brasileiro em rubro e negro, que sacudiu a imprensa e redes sociais, comprovando seu poder de alcance e engajamento”, analisou José Colagrossi, diretor-executivo do Ibope Repucom.

O curioso foi o fato dos comentários acompanharem o desenvolvimento do jogo. Até a primeira etapa, quando o River Plate liderava o placar e mandava na partida, 66% dos posts tinham origem na Argentina. A partir do segundo tempo, até o final do jogo, o Brasil “virou” junto ao Flamengo, com proporção de 95% contra 5% dos argentinos, considerando o mesmo volume de comentários.

Estudo constata virada também nas redes sociais (Foto: Reprodução)

Dentro do Brasil, a análise mostra que o estado do Rio de Janeiro liderou com 62% dos comentários. Outros 38% foram espalhados pelos diversos estados do país. Espírito Santo (6%), São Paulo (5%), Minas Gerais (3,5%) e Distrito Federal (3,2%) foram destaques.