<
>

Claudinho explica por que nem ligação de Ceni e interesse de Cruzeiro, Atlético-MG e Corinthians o tiraram do Bragantino

Claudinho é o principal destaque do Bragantino que conseguiu o acesso para a Série A do Campeonato Brasileiro de 2020. Com nove gols na competição, o jogador de 22 anos admite que vive a melhor fase da carreira depois de ter enfrentado algumas dificuldades no começo de sua trajetória no profissional.

Em entrevista exclusiva ao ESPN.com.br, o atacante revelou que recebeu ofertas oficiais de Cruzeiro, Atlético-MG, e Corinthians, mas que preferiu permanecer na equipe do interior paulista, que comprou 50% dos seus direitos e renovou o contrato até 2023.

Com passagens pela base de Santos e Corinthians, ele rodou por Bragantino, Santo André, Ponte Preta, Oeste e Red Bull antes de ir ao time de Bragança Paulista.

O Bragantino lidera a Série B com 65 pontos ganhos. A equipe enfrentará o Botafogo-SP no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto, nesta sexta-feira (08/11), às 19h15(de Brasília).

Veja a entrevista de Claudinho:

Como surgiu o Red Bull na tua vida?
A Ponte Preta disse que não ia me utilizar no Paulistão de 2018 e fui emprestado ao Red Bull. Fiz um bom Estadual e fui jogar a Série B do Brasileiro pelo Oeste, mas fiz só alguns jogos antes de voltar ao Red Bull para jogar a Copa Paulista. Depois permaneci até agora.

Como foi o Paulista deste ano antes da fusão com o Bragantino?
Fizemos uma excelente campanha porque terminamos em primeiro, mas perdemos para o Santos.

Como foi essa mudança do Red Bull para Bragança e o que mudou para vocês?
Quando falaram que ia ser essa parceria, achei que seria bom porque teríamos calendário o ano todo e jogaríamos a Série B. Esperávamos que poderia dar certo, e deu.

Como é trabalhar com o técnico Antônio Carlos Zago?
Ele mudou a minha cabeça totalmente. Como sou novo, ele me fez pensar mais à frente, me colocou para jogar e me deu moral. É um cara que merece respeito pela honestidade, trabalho e história no futebol.

O que ele mudou em você?
Eu ainda pensava um pouco pequeno. Às vezes era um pouquinho birrento, mas, por ele ter vivido o mundo do futebol como jogador, ele acabou mudando isso em mim. Disse que eu não precisava disso e por causa do meu talento as coisas iam acontecer naturalmente. Era para eu acreditar e fazer o que sei de melhor. Só tenho que agradecê-lo por tudo.

Você disse que pensava pequeno. Explique isso...
Se eu estava jogando, estava bom. Mas se eu não estava jogando, eu ficava muito puto, que é algo normal, mas eu não conseguia treinar bem porque estava bravo. Ele mudou isso em mim. Ele me disse: 'Você não precisa disso. Trabalhe para você que as coisas vão acontecer naturalmente'. Foi o que eu fiz: trabalhei, acreditei nele e tudo está dando certo.

O Zago mudou sua forma de atuar em campo?
Ele me dá total liberdade em campo para jogar. Pede para eu não ficar preso em uma só posição pela minha capacidade de criação. E acho que está dando certo!

Como você avalia o seu desempenho?
Está sendo muito bom. É o meu principal ano como profissional com a ajuda da equipe toda. Estou muito feliz com as minhas atuações. Quando o time vai bem todo mundo aparece.

Atlético-MG e Cruzeiro te fizeram propostas oficiais?
Sim, teve proposta oficial. Eles chegaram no meu empresário e as propostas vieram para mim. Eu quis permanecer aqui para fazer história e como forma de gratidão por terem acreditado em mim. Eu nunca tinha conseguido uma continuidade em um campeonato jogando por um clube. O Zago e o Thiago Scuro falaram comigo. Quis permanecer nesta equipe que fará história com certeza. É uma honra ter ficado.

Quais outros times chegaram em você?
Eu pedi ao meu empresário para só me avisar quando tivesse algo concreto, para que eu não perdesse o foco. Teve Cruzeiro, Atlético-MG, Corinthians, mas não chegou a um acordo. Acho que teve ligações do Santos. Mas pedi para não ficar me falando. O Rogério Ceni [quando era técnico do Cruzeiro] ligou para o meu empresário e conversou com ele.

O projeto ambicioso do Bragantino com o Red Bull pesou para você ficar?
Com certeza. Desde o ano passado eu vinha acreditando no projeto do Red Bull e, agora, no Bragantino. É um projeto muito sério. O Zago conversou comigo sobre continuidade, falou que não tive uma continuidade no profissional e que seria bom eu continuar jogando e aparecendo. Que eu jogaria esse ano e depois veria o que iria fazer. Mas nós conversamos com a diretoria e renovamos nosso contrato até 2023. Sou muito feliz aqui e quero retribuir tudo que fizeram por mim.

Como foi "virar ator" do vídeo que anunciou sua renovação de contrato?
Foi uma ideia do marketing do Bragantino. Eu achei que não teria problema porque o futebol não pode perder a alegria. Eu acho que foi só uma brincadeira, espero que ninguém ache ruim. Não foi ofensa, só uma brincadeirinha.

Como é para você ter dado essa volta por cima?
Eu tenho família maravilhosa ao meu lado, que sempre acreditou em mim. Eles nunca me deixaram abaixar a cabeça ou subir à cabeça também. Eu trabalho para ser melhor do que mim mesmo todos os dias. Nunca penso em ser melhor do que os outros ou tomar o espaço de ninguém. Sigo trabalhando

Quais os momentos mais marcantes para você em 2019?
Acho que todos os jogos foram especiais. Fiz meu primeiro hat-trick na carreira contra o São Bento, mas o jogo contra o Guarani, que nos deu o acesso para a Série A do Brasileiro, foi o mais especial. Espero que tenha outro da conquista do título da Série B.

Você pretende permanecer no Bragantino em 2020?
Eu renovei meu contrato até 2023. O momento não é de pensar nisso ainda, por que estou focando na Série B. Para sair tem que ser algo bom para o Bragantino e para mim, por que se um dia eu for embora, quero deixar as portas abertas e que o clube seja feliz.