<
>

Vereador Zico, do Rio de Janeiro, faz projeto para proibir VAR no Rio; veja seus argumentos

O vereador Zico (PTB-RJ), do Rio de Janeiro, quer proibir o uso do árbitro de vídeo (VAR) em partidas organizadas pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (FERJ).

Publicado no Diário Oficial da Câmara Municipal, projeto de lei propõe que os árbitros não tenham contato com vídeos durante as partidas e estipula uma punição de R$ 250 mil para quem descumprir a regra.

O valor arrecadado com a multa seria encaminhado para o Fundo Municipal de Defesa do Consumidor.

"Apesar de ser uma tecnologia muito cara, o uso do árbitro de vídeo não tem contribuído para a melhoria do futebol. Com interrupções demoradas, fazendo com que o ritmo das partidas seja alterado, quem perde é o torcedor, o público que paga para assistir ao espetáculo", diz o vereador.

"Temos que registrar também os julgamentos incoerentes e duvidosos que fazem com que a tecnologia, que deveria vir para somar, subtraia a alegria do torcedor. A proposição visa devolver ao juiz da partida o poder de decisão sem a ajuda de um computador."

A proposta de Zico três dias após o Flamengo emitir nota oficial repudiando a atuação de Bráulio da Silva Machado, árbitro que anulou a marcação de um pênalti ao consultar o VAR no jogo contra o Athletico Paranaense, na Arena da Baixada.

Veja o texto na íntegra:

TERMINA A PROIBIÇÃO DO USO DO RECURSO DO

ÁRBITRO DE VÍDEO (VAR) NAS PARTIDAS DE FUTEBOL OR- GANIZADAS PELA FEDERAÇÃO DE FUTEBOL DO ESTADO

DO RIO DE JANEIRO – FERJ, E REALIZADAS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

AUTOR: Vereador ZICO

DESPACHO: A imprimir.

Restitua-se ao autor com base no art. 194, inciso I, do Regimento Interno, combinado com o disposto no item 1, letra b, do Precedente Regimental no 37, de 2006, visto que a proposta legislativa em tela versa sobre contexto normativo extravagante à competência municipal, não se vislumbrando em caso o interesse local a que alude o art. 30, inciso I, da Constituição da República.

Em 11.10.2019 JORGE FELIPPE – PRESIDENTE A CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO,

D E C R E T A: Art. 1° Fica proibido o uso do Recurso de Árbitro de Vídeo (VAR) nas partidas de futebol organizadas pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro – FERJ, e realizadas no Município do Rio de Janeiro.

Art. 2o A arbitragem não poderá ter contato com qualquer tipo de vídeo durante o período de realização da partida. Art. 3° O descumprimento da presente Lei acarretará a seguinte sanção:

I - multa no valor de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais).

Art. 4o O valor arrecadado com as multas deverão ser revertidos para o Fundo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor

– FUMDC. Art. 5o O Poder Executivo regulamentará esta Lei.

Art. 6o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Plenário Teotônio Villela, 8 de outubro de 2019. Vereador ZICO PTB JUSTIFICATIVA

Esta proposição determina a proibição do uso do recurso do árbitro de vídeo (VAR) nas partidas de futebol organizadas pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro – FERJ, e realizadas no

Município do Rio de Janeiro. Apesar de ser uma tecnologia muito cara, o uso do árbitro de vídeo não tem contribuído para a melhoria do futebol. Com interrupções demoradas, fazendo com que o ritmo das partidas seja alterado, quem perde é o torcedor, o público que paga para assistir ao espetáculo.

Temos que registrar também os julgamentos incoerentes e duvidosos que fazem com que a tecnologia, que deveria vir para somar, subtraia a alegria do torcedor.

A proposição visa devolver ao juiz da partida o poder de decisão sem a ajuda de um computador. É isto que o torcedor carioca pede, e que por todo o exposto, conto com o apoio dos meus pares para a aprovação desta Lei.