<
>

Corinthians: Boselli mostra irritação com reserva, direciona pergunta a Carille e não garante que fica em 2020

play
Mauro Boselli diz que Corinthians pode jogar 'muito melhor' (1:04)

'Temos que melhorar a chegada ao gol', admitiu o atacante argentino. (1:04)

Mauro Boselli tem 34 anos, uma história bonita no futebol e uma personalidade forte. O argentino lida bem com as palavras e é sempre muito claro e sincero em suas declarações. E não foi diferente na entrevista coletiva dessa quarta-feira, véspera da partida entre Corinthians e Athletico-PR.

Provável titular no jogo desta quinta, em Itaquera, o camisa 17 foi desafiado a explicar por que ainda é reserva do Corinthians, e preferiu não dizer o que pensa sobre o assunto, sem esconder o incômodo com a situação.

“Tenho uma forma de pensar, mas prefiro guardar para mim. Quem pode dar a resposta é o treinador. Mostro desde o primeiro dia que sou uma pessoa que trabalha, treina bem e mostra dentro de campo, e não faço manifestações que possam ser contraproducentes para a equipe”, disse.

“Acho que quando entrei ou comecei do início fiz as coisas bem, e quem decide se vou continuar ou não é o treinador. Quem pode responder é Carille. Tenho uma forma de pensar e prefiro guardar para mim”, reforçou.

Mauro Boselli tem sete gols em 38 atuações com a camisa corintiana. Em 20 oportunidades começou como titular. A média de gols é baixa e o centroavante reconhece, mas, no seu entendimento, isso passa pela maneira da equipe jogar.

“Tem que perguntar ao treinador. Os atacantes dos outros times têm três ou quatro chances. Aqui não tenho. Não passa pelo nome, eu, Love, ou Gustavo, mas pelo esquema e funcionamento, passa pelo time ser mais ofensivo”, avaliou, antes de concordar com a opinião sobre o futebol ruim apresentado pelo Corinthians na temporada.

“Creio que pelo grupo que temos e pela qualidade que temos, podemos jogar muito melhor. Mas é questão de melhorar, de potencializar o que temos de bom, temos força defensiva, é algo importante, e temos que melhorar a chegada ao gol. Não temos mais de cinco gols os jogadores ofensivos (no Brasileirão). Temos que melhorar muito”.

Durante a intertemporada, depois de uma derrota corintiana para o Botafogo-SP em amistoso disputado em Ribeirão Preto, Boselli chegou a externar irritação com a postura do time em campo e sua declaração gerou grande repercussão.

“Quanto a essa frase que se tornou polêmica, eu não disse com essa intenção. Eu disse que pelo o que podemos, temos que lutar pelo objetivo que tínhamos, os títulos da Sul-Americana e Brasileirão. Na Copa, ficamos fora pelo jogo na Arena. No Equador, com a altitude, não foi fácil. Mas chegamos numa semifinal, algo importante”, explicou.

“Mas Corinthians tem que ser campeão. E Brasileirão se tornou difícil, tem duas ou três equipes que estão acima, que têm proposta ofensiva. Nossa ideia é lutar até o final e chegar nas últimas rodadas ainda com chance de ser campeão”, explicou.

Mesmo tendo contrato até o fim de 2020, o jogador não garante que ficará no Corinthians para ao ano que vem.

"Faltam muitas rodadas ainda para o campeonato, vou fazer uma avaliação, não apenas futebolística. No futebol é normal jogar algumas e não jogar outras. A avaliação é geral, inclui a vida pessoal. Minha família também. Tenho que pensar em tudo, a vida não passa apenas por futebol, há muitas coisas para avaliar. Amanhã temos um jogo importantíssimo, espero que o técnico me dê chance de começar ou que eu entre no segundo tempo. Quero ajudar nos objetivos. No fim do ano vou avaliar. Hoje ainda não há sentido falar, pois ainda não tenho conclusões.