<
>

Renato revela momento mais doído no Grêmio e diz: 'Se fizer amistoso entre seleção brasileira e Flamengo, vai dar jogo duro'

O Grêmio terá uma missão complicadíssima na semifinal da Copa Libertadores. Afinal, terá um duelo com o Flamengo, um time que faria um “jogo duro” contra a seleção brasileira. Pelo menos é o que pensa o técnico do time tricolor, Renato Gaúcho.

“Agora mesmo, em mais uma semifinal de Libertadores, a terceira seguida, tenho certeza que esses meninos estão prontos para fazer o melhor. É um confronto muito difícil, contra uma verdadeira seleção, mas futebol é 11 contra 11. O Flamengo tem obrigação de ganhar um título com esse grupo que montou. E digo até mais: se fizer um amistoso entre a seleção brasileira e o Flamengo, vai dar jogo duro. Mas o Grêmio também é forte. Vamos ver o que vai dar dentro das quatro linhas”, escreveu o treinador em texto publicado pelo Globoesporte, sobre os três anos à frente da equipe gaúcha.

“Não tenho do que reclamar. Nesses três anos que estou aqui, conseguimos tudo que um clube precisa para ser feliz. Jogamos um futebol bonito, temos resultados e ainda colocamos dinheiro na conta do clube.”

Outro tópico abordado por Renato foi a eliminação na semifinal da Copa do Brasil para o Athletico-PR. Depois de o Grêmio ter feito 2 a 0 no jogo de ida em Porto Alegre, a equipe sofreu uma derrota pelo mesmo placar na volta, jogando mal, e acabou eliminada nos pênaltis.

“De todos os momentos ruins, o que me doeu mais aconteceu recentemente. Perder a vaga na final da Copa do Brasil, da maneira que perdemos, para o Athletico-PR, me doeu demais. Tínhamos uma vantagem muito boa e a vaga não poderia ter escapado. Sem falar no pênalti logo no início do jogo que o árbitro não deu. Fiquei 48 horas sem falar com os jogadores para deixar a poeira baixar. Mas esse grupo é bom demais. Chegamos a Belo Horizonte e tive uma conversa muito boa com eles. E a reação veio rápido, como sempre acontece”, disse.

Renato Gaúcho também falou sobre o seu futuro. Com contrato até o término da temporada, ele espera que sua história seja ainda mais longa no clube tricolor.

“Quero muito continuar no Grêmio por muito tempo. Mas agora não é momento de falar sobre isso. Na hora certa vou sentar com o presidente Romildo, com a diretoria, e vamos conversar”, declarou.