<
>

Tottenham refinancia dívida de R$ 2,7 bilhões do estádio, mas presidente rejeita gastar no time

O dono e presidente do Tottenham, Daniel Levy, revelou nesta sexta-feira que conseguiu um refinanciamento da dívida que fez com diversos bancos para construir o novo estádio do clube, que foi inaugurado em abril deste ano.

Os Spurs pegaram 637 milhões de libras (R$ 3,311 bilhões) do Goldman Sachs, do Bank of America Merrill Lynch e do HSBC para finalizar a arena ultramoderna, que custou 1 bilhão de libras (R$ 5,2 bilhões) no total.

Inicialmente, a equipe de Londres deveria quitar os empréstimos até abril de 2022. No entanto, através de investidores norte-americanos, Levy transformou o que resta da dívida, 525 milhões de libras (R$ 2,729 bilhões), em um esquema de títulos, com vencimentos escalonados em prazos que vão de 15 a 30 anos.

Com isso, o Tottenham conseguiu ficar com mais dinheiro em caixa, já que ampliou bastante o prazo para pagar os empréstimos. Mas isso não quer dizer que o técnico Mauricio Pochettino terá vida fácil...

Questionado pelo jornal Financial Times que a grana liberada será investida diretamente no elenco, com contratação de reforços ou melhoras nos contratos vigentes, como os de Jan Vertonghen, Toby Alderweireld e Christian Eriksen, que acabam no final da temporada, Levy negou.

"O refinanciamento não irá mudar em nada a maneira como gerimos o clube. E não trará qualquer alteração a esses movimentos financeiros a curto prazo, como transferências de jogadores", afirmou.

"Eu entendo como os torcedores se sentem, eu mesmo sou um torcedor. Todos sempre querem a vitória em campo imediatamente. Mas aqui nós estamos tentando fazer as coisas de forma ligeiramente diferente. Queremos construir uma infraestrutura, que assegure que o Tottenham resista à prova do tempo", acrescentou.

"Nós poderíamos facilmente gastar dinheiro em jogadores. Quem poderá dizer se eles teriam trazido mais sucesso para nós, ou não... A forma certa de construir as coisas é de baixo para cima. Não há maneira rápida de se tornar um clube importante globalmente", complementou.

Na última temporada, os Spurs tiveram receita de 380,7 milhões de libras (R$ 1,979 bilhão) e fecharam com um superávit de 138,9 milhões de libras (R$ 722,15 milhões), o maior lucro já registrado na história por um time de futebol.

A equipe diz ter gasto 120 milhões de libras (R$ 623,89 milhões) na última janela de transferências, inclusive no empréstimo do meia Giovani Lo Celso, ex-Betis, que tem obrigação de compra de 60 milhões de libras (R$ 311,94 milhões) ao final de 2019/20.t.”