<
>

Love defende jovens do Corinthians e não concorda com cobrança de Carille

A entrevista coletiva de Fábio Carille na última quarta-feira, logo após a derrota do Corinthians para o Independiente del Valle, pela semifinal da Copa Sul-Americana, ainda repercute no clube.

O treinador entende que o fato de ter jogadores mais jovens no time, como Pedrinho e Vital, citados nominalmente pelo técnico em seu discurso, foi um fator prejudicial ao Corinthians no revés para os equatorianos. A dupla citada rebateu Carille minutos depois.

Na manhã dessa sexta-feira, o experiente Vagner Love concedeu entrevista coletiva no CT Joaquim Grava e tratou de sair em defesa de seus companheiros de ataque, deixando claro seu desacordo com o foi dito por Carille na ocasião.

Vagner Love tem 35 anos e sempre procura conversar com os mais jovens do elenco corintiano (Foto: Rodrigo Gazzanel/ Ag Corinthians)

“Cobranças é para mais novos e mais velhos. Todos em busca dos mesmos objetivos”, iniciou o camisa 9.

“Se Carille citou Pedrinho e Vital, eles não jogam sozinhos, tem os 11, os do banco, a cobrança é para todos. Todos nós fizemos um jogo ruim e por isso perdemos por 2 a 0 em casa. Culpado é todos, os mais novos, mais velhos, comissão técnica, por termos feito as escolhas erradas”, continuou.

“Não vejo o porquê cobrar algum jogador. A declaração do Carille não escutei, nem a do Pedrinho e Vital. Ouvi comentários. Acho que já foi bem administrado entre as partes, temos um convívio bom aqui, todos se respeitam, agora é dar continuidade ao trabalho”, completou.

Quando perguntado sobre desempenho e uma evolução pouco notada da equipe durante a temporada, Love fez questão de absolver Fábio Carille de uma parcela maior pela responsabilidade.

“Não, tivemos melhorias significantes na parada da Copa. Tínhamos números muito abaixo. Carille nos fez melhorar em vários aspectos, vários setores, a cobrança não pode cair no Carille, é em todos. Ele monta a estratégia e nós temos que executar. Não fizemos bom jogo (contra o del Valle). É 50% culpa dele, e 50% dos jogadores. Assim dividimos no Corinthians”, comentou.

Sobre o protesto da torcida que ocorreu durante o treinamento fechado à imprensa dessa sexta, no CT, o atacante corintiano minimizou a sobrecarga de pressão colocada em cima do elenco pela principal organizada do clube.

“Nós, jogadores, internamente a gente se cobra, sabemos do resultado ruim desta semana, estamos nos cobrando muito por essa derrota na semifinal. Do jeito que eles estão cobrando, a gente também está se cobrando, temos que mudar a nossa atitude. Falei depois do jogo, ter mais atitude, nos cobrar e fazer melhor”, concluiu.