<
>

Carille alcança patamar inédito de insatisfação no Corinthians

Talvez Fábio Carille tenha sofrido sua pior derrota como técnico do Corinthians na noite de quarta-feira. Frente a quase 38 mil torcedores na Arena de Itaquera, seu time foi completamente dominado durante todo o jogo pelo Independiente del Valle em plena semifinal de Copa Sul-Americana.

Não bastasse o revés por 2 a 0 da forma que foi, Fábio Carille concedeu uma polêmica entrevista coletiva antes de deixar o palco do jogo contra os equatorianos. O treinador citou a falta de experiência de alguns atletas, chegou a apontar Pedrinho e Mateus Vital nominalmente e sequer se deu conta de que seu algoz tem uma média de idade inferior a do Corinthians.

O reflexo dos fatos mais recentes, aliado a problemas que são carregados durante a temporada, culmina no pior e mais difícil momento para Fábio Carille em seu cargo desde que foi efetivado, no início de 2017.

Sem crédito

Durante a madrugada de quarta para quinta, as citações sobre o técnico chegaram ao top 3 nos Trending Topics do Twitter. A hashtag “#ForaCarille” se disseminou nas redes sociais com muita velocidade.

O tom das reclamações é quase que uníssono: se referem a falta de criatividade e a dificuldade do Corinthians em ser mais criativo na parte ofensiva.

É notório como a paciência do torcedor não é mais a mesma e o crédito pelos recentes títulos já não são mais suficientes para evitar protestos e duras críticas contra o trabalho que vem sendo desenvolvido.

A Gaviões da Fiel, principal organizada do clube, inclusive agendou uma manifestação para a manhã dessa sexta-feira, no CT Joaquim Grava.

Climão

Internamente, as declarações de Fábio Carille também não ecoaram bem dentro do Corinthians. Mateus Vital e Pedrinho chegaram a rebater o treinador logo após o revés de quarta-feira, ainda na Arena.

A Gazeta Esportiva apurou que o dia seguinte do elenco foi marcado por um ‘climão’ no vestiário do CT. Jogadores não aprovaram e foram pegos de surpresa com as palavras do treinador. Alguns externaram o incômodo a pessoas próximas e ouvidas pela reportagem.

É a primeira vez que Carille passa por um problema de gestão de elenco. O técnico sempre teve total confiança e respaldo dos grupos que dirigiu, mas, apontar os jovens como principais culpados pelo vexame na Copa Sul-Americana não pegou bem.

Cobrança

Andrés Sanchez tem evitado dar entrevistas após os jogos da equipe, apesar de sempre estar por perto, acompanhando cada movimento. O presidente não tinha a pretensão de mudar a rotina no meio da semana, mas sentiu necessidade de falar tanto com o grupo, no vestiário, quanto com os jornalistas, na zona mista.

É a segunda manifestação do mandatário em 2019 nesse sentido. Andrés foi “sincerão” depois da classificação à final do Paulistão ao admitir a falta de merecimento do time naquela oportunidade, contra o Santos.

A derrota para o Del Valle refletiu em um discurso ainda mais crítico, com frases como “levamos um show de bola”, “2 a 0 foi pouco”, “deu tudo errado” e “perdemos na técnica e no físico”.

A relação de Andrés Sanchez com Fábio Carille é apenas profissional. Eles não são amigos, têm suas diferenças, mas se respeitam no dia-a-dia. Apesar das fortes declarações, Andrés garantiu que Carille não corre risco de perder o emprego.

Acumulo de problemas

Pequenos acontecimentos durante a temporada, em meio aos compromissos do Corinthians em campo, contribuem para esse momento de instabilidade e pressão em cima de Fábio Carille.

A exceção de uma atuação ou outra, o futebol mostrado pela equipe não agrada desde o início do ano. Além disso, o desgaste pelas críticas de jornalistas e comentaristas é alimentado pelo técnico com respostas direcionadas.

Carille chegou a causar uma grande confusão ao insinuar que estava fechando os treinos porque jornalistas passavam informações aos adversários. O técnico se referia a um caso de 2017, mas não soube se expressar na ocasião e o assunto virou manchete em todos os veículos de comunicação.

Uma ríspida discussão com um jornalista durante uma entrevista coletiva foi o ponto alto. Após isso, Carille foi convidado para uma conversa com os profissionais da imprensa, mas a reunião nunca aconteceu.

A repetição dos argumentos para explicar o mau futebol jogado pelo Corinthians e alguns fracassos, como o fato de não ter trabalhado no passado com boa parte dos atletas que compõem o elenco e a ausência de tempo para treinar passaram a não ter mais efeito de compreensão.

Também não são poucos os questionamentos sobre algumas decisões que remetem ao time, como a opção em abrir mão de Ángelo Araos e Léo Santos, a resistência em escalar Pedrinho como meia e em dar mais oportunidades a Janderson, e a pouca paciência com Mauro Boselli, algo que sobrava com Henrique até a chegada de Gil.

“Chuva de verão”

Os constantes vazamentos de propostas ou cartas de interesse podem mostrar que Fábio Carille esteja valorizado no mercado. Andrés Sanchez, porém, não esconde sua irritação com a recorrência de publicações desse teor sobre o técnico corintiano.

Andrés qualificou a última procura como “chuva de verão” e apesar de ter evitado falar diretamente, cutucou Carille e seus empresários em uma entrevista coletiva, ironizando o fato dos treinadores dos outros clubes não serem afetados por tantas matérias que revelem vontades de clubes do exterior.