<
>

Cristiano Ronaldo diz que ficou 'constrangido' com acusação de estupro

Cristiano Ronaldo, que ainda está encarando uma acusação de estupro em Las Vegas, disse em uma entrevista nesta semana que ele se sentiu “constrangido” por conta das alegações contra ele.

O processo civil pendente de Kathryn Mayorga alega conspiração, difamação, quebra de contrato, coerção e fraude. Ela fala em danos financeiros maiores do que US$ 50 mil.

A polícia em Las Vegas reabriu a investigação criminal no último mês de outubro a pedido de Mayorga, que acusou Ronaldo de abuso sexual em 2009. Porém, a polícia confirmou em junho que ele não vai enfrentar acusações criminais.

A polícia de Las Vegas comparou uma amostra de DNA de Ronaldo com as evidências do suposto estupro em 2009 no hotel em Las Vegas, mas os detetives disseram que eles lidaram com a falta de cooperação dos advogados de Mayorga, antes de os promotores rejeitarem em prosseguir com uma acusação criminal, de acordo com a correspondência obtida em agosto pela ESPN.

“Eles brincam com sua dignidade”, disse Ronaldo em entrevista ao programa Good Morning Britain, da emissora ITV, que irá ao ar na terça-feira na Grã-Bretanha. “É difícil. Você tem uma namorada, você tem uma família, você tem filhos. Quando eles brincam com sua honestidade, é ruim, é difícil. Eu lembro de um dia que eu estava em casa na sala de estar com minha namorada vendo na televisão as notícias, e eles falavam sobre ‘Cristiano Ronaldo isso e aquilo’.”

“Eu ouvi minhas crianças descendo as escadas e mudei de canal, porque eu estava constrangido”, declarou o jogador da Juventus. “Eu apenas mudei o canal para Cristiano Jr. não ver que eles falavam mal de seu pai sobre um caso muito ruim.”

De acordo com documentos judiciais, Mayorga assinou um acordo de confidencialidade em 2010 com Ronaldo em troca de um pagamento de U$ 375 mil. Os advogados de Ronaldo disseram que o português e Mayorga fizeram sexo consensual na suíte dele em um hotel em Las Vegas, mas negaram que foi estupro.

Promotores dizem que uma investigação policial inicial em 2009 foi encerrada depois que a polícia foi impedida por perda de evidência e falta de cooperação por parte de Mayorga.