<
>

Libertadores: Como foi reunião da Conmebol com representantes de Flamengo, Grêmio, Boca Juniors e River Plate

play
Qual time joga o melhor futebol do Brasil atualmente? (3:06)

Flamengo e Grêmio, que estão na semifinal da Libertadores, duelam pelo posto de melhor desempenho. (3:06)

Após os problemas na última final da Libertadores, a Conmebol reuniu nesta sexta-feira representantes de Boca Juniors, River Plate, Flamengo e Grêmio para falar da segurança nos jogos das semifinais deste ano.

Em 2018, os arquirrivais argentinos decidiram a competição, e o jogo de volta não aconteceu em Buenos Aires depois que torcedores do River atacaram o ônibus da delegação do Boca na chegada ao Monumental de Núñez - a final acabou disputada em Madri, no Santiago Bernabéu.

Por isso, na reunião conduzida pelo diretor de competições de clubes, Frederico Nantes, a prevenção de possíveis distúrbios (além da logística) era o foco dos presentes.

Além dos representantes de futebol e de segurança dos quatro times, estavam presentes também Valeria Sikorski (diretora executiva do comitê de segurança no futebol da cidade de Buenos Aires) e Daniel Araújo de Oliveira (da Brigada Militar do Rio Grande do Sul).

Dentre as diretrizes apresentadas, estava a responsabilidade que cada equipe com relação à organização dos jogos e às possíveis penas previstas no regulamento - o River Plate, por exemplo, foi multado e jogou duas partidas da atual Libertadores com portões fechados.

A final deste ano será realizada em jogo único no Estádio Nacional em Santiago, no Chile.

Boca e River jogam em 1º (Monumental) e 22 de outubro (Bombonera), enquanto Flamengo e Grêmio se enfrentam em 2 (Arena) e 23 (Maracanã) do mesmo mês.