<
>

Santos: Veja, em detalhes, como o clube usou a 1ª parcela da venda de Rodrygo

O Conselho Deliberativo do Santos criou, em agosto de 2018, uma comissão temporária para acompanhar o uso do dinheiro da venda de Rodrygo ao Real Madrid.

A Gazeta Esportiva teve acesso ao primeiro parecer, assinado pelos conselheiros Ivam Jardim Ariante, José Augusto Faia Conrado, José Geraldo Gomes Barbosa e Rodrigo da Matta Marino. O documento leva em consideração os 20 milhões de euros da primeira parcela – a segunda, com a outra metade, caiu em julho deste ano nas contas do Peixe e ainda não houve tempo para avaliação.

O valor total disponibilizado em 10 de julho de 2018 foi de R$ 89.361.876,90 e o Alvinegro optou por receber de forma fracionada. A primeira entrada ocorreu em 23 de julho e a última em 5 de outubro. O câmbio médio foi de R$ 4,46 para cada euro.

Os quase R$ 90 milhões foram gastos na sua maioria para salários do elenco e funcionários (52,81%). A conta fecha com 32,22% com aquisição de atletas (Gabigol, Felippe Cardoso, Carlos Sánchez e Jackson Porozo), 10,69% com acordos gerais e trabalhistas e 4,28% para outras despesas (pequenos pagamentos de fluxo de caixa não especificados).

Os maiores custos, além dos vencimentos, apareceram com R$ 11 milhões de parcela do acordo com a Doyen Sports e outros R$ 7 milhões ao Wolfsburg (ALE) por Bruno Henrique, em dívida herdada da antiga gestão, de Modesto Roma.

Dentre os acordos judiciais, o Santos precisou pagar quantias referentes a Robinho, Bruno Peres, Montillo, Cleber Reis, Lucas Lima, Leandro Damião, Ricardo Oliveira, além de intermediações pela renovação de David Braz e Victor Ferraz.

A comissão temporária sugere 2 milhões de euros (R$ 9 milhões) – 10% dos 20 milhões restantes (R$ 90 mi) -, para investimento nas categorias de base. Os conselheiros destacaram que a criação do grupo ocorreu após o recebimento da primeira parcela, o que inviabilizou discussões e conselhos ao presidente José Carlos Peres e demais membros da diretoria.