<
>

Presidente do STJ brinca sobre julgamento de caso de R$ 10 milhões do Atlético-MG por Fred: 'Sou cruzeirense'

play
Cruzeiro vence com gol de Fred, e Marra analisa: 'A bola chegava muito pouco, e ontem chegou bastante' (1:46)

Na estreia de Rogério Ceni, atacante voltou a marcar e time celeste reencontrou o caminho da vitória (1:46)

João Otávio de Noronha, ministro e Presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), revelou que não será responsável pelo julgamento do 'caso Fred' e ainda brincou sobre o fato de torcer para o Cruzeiro.

Em entrevista à Rádio Itatiaia, o ministro adiantou: "Não posso adiantar julgamento, primeiro porque não sou eu que vou julgar esse caso. São colegas. Mas se eu tivesse que decidir, lembre-se que sou cruzeirense (risos)”.

ENTENDA O 'CASO FRED'

O atleta deixou o Atlético-MG no fim de 2017 e foi direto para o Cruzeiro. Na ocasião, o próprio centroavante e seus representantes confirmaram, em contrato, que não fariam tal movimentação e, se caso fosse feito, o jogador seria penalizado com a multa de R$ 10 milhões.

Com isso, o alvinegro processa o jogador nesse valor e procura obter essa compensação em troco de sua saída.

Anteriormente, o presidente Sérgio Sette Câmara atacou o jogador, pedindo que ele mesmo pagasse o valor do próprio bolso.

“Me espanta ele dizer que foi escorraçado. O que aconteceu é que nós fizemos um acordo para ele sair. Ele (Fred) assinou, o procurador dele assinou, ele tinha um advogado, que também assinou, e ele não cumpriu. Ele não cumpriu, foi condenado, e acho que ele deveria parar de falar e pagar ao invés de ficar conversando fiado por aí”, destacou.

Em primeira instância, o imbróglio entre Fred e o Atlético-MG foi julgado pela Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD), que determinou que o camisa 9 deveria pagar a multa de R$10 milhões ao Atlético.

Fred levou o caso à Justiça do Trabalho, que concedeu uma liminar para suspensão da cobrança. Sem receber, o clube levou o caso ao STJ, para que seja decidido quem tem poder para julgar o caso.