<
>

Liverpool não pode depender de Salah, Mané e Firmino para sempre; quem será o primeiro a deixar Anfield?

play
Agora como técnico do Chelsea, Lampard reencontra o Liverpool, o time que mais enfrentou como jogador (1:46)

Blues e Reds se enfrentam nesta quarta (14), pela Supercopa da Uefa (1:46)

Tirando um goleiro reserva, um zagueiro de 17 anos e um ponta de 16 anos, o Liverpool não contratou novos jogadores nesta janela. Antes de contratar Adrian, que estava sem clube, em 5 de agosto, o clube não havia feito contratações para o time principal (e com a lesão de Alisson na primeira partida da Premier League contra o Norwich, Adrian será o titular já na Supercopa europeia contra o Chelsea, nesta quarta, às 16h de Brasília).

Enquanto as equipes que perseguem o Liverpool melhoraram nesta janela, os Reds optaram por focar seus esforços em manter seus jogadores, não contratando alguém que contribuirá com muitos minutos na equipe principal desta temporada.

O ano passado foi muito bom. O Liverpool venceu a Champions League e acumulou o terceiro maior número de pontos na história da Premier League. Eles fizeram isso com uma equipe que atingiu o pico juntos.

Entre os 15 jogadores que jogaram pelo menos 1.000 minutos no último Campeonato Inglês, 14 deles tinham 28 anos ou menos no começo da campanha. O único jogador com mais de 30 anos foi James Milner (33), que está na Premier League há diversas temporadas.

Além disso, há muitos jogadores que deverão contribuir muito mais do que em 2018-19: Naby Keita fez apenas 16 partidas no campeonato, enquanto Alex Oxlade-Chamberlain rompeu o ligamento cruzado anterior do seu joelho nas quartas de final da Champions League, contra o Manchester City.

Se você tivesse que apontar uma fraqueza no time do Liverpool da última temporada, provavelmente seria a falta de suporte ofensivo que os meias davam para os atacantes. Keita e Ox são dois dribladores jovens e dinâmicos, com histórico de gols e assistências. Existe a certeza de que eles proporcionarão uma melhoria interna ou pelo menos ajudarão a evitar parte da queda inevitável do time que venceu o torneio mais importante do mundo na última temporada.

O Liverpool foi um dos três melhores times do mundo na última temporada. Milner continua sendo o único contribuinte significativo que está acima dos 29 anos; Tirando lesões ou brigas internas da equação, nada nos impede de pensar que o Liverpool será um dos melhores times do mundo de novo. Mas Klopp e companhia não podem continuar fazendo isso para sempre. Um esquadrão que tem o pico junto, cai junto também.

Eles foram inteligentes em aproveitar o mercado para vender Philippe Coutinho ao Barcelona e reinvestir o dinheiro na nova equipe, mas será que serão tão espertos quando um clube da Espanha bater na porta por um de seus três atacantes?

Resumindo, o Liverpool deve considerar o impensável - vender Mané, Salah ou Firmino?

As cobranças de bola parada são ótimas, e o mesmo vale para Virgil van Dijk, que é o " Mr. Indispensável" para os Reds. Alisson e os laterais estão entre os melhores do mundo, mas o Liverpool subiu chegou no topo graças aos três atacantes.

Desde que Mohamed Salah chegou da Roma em 2018 para completar o trio com Sadio Mané e Roberto Firmino, o Liverpool tem a segunda maior marca de pontos da Premier League, atrás do Manchester City, que tem um elenco bem maior. De 2010 a 2017, os Reds nunca tinham passado da fase de grupos da Champions League. Com esses três atacantes, o clube chegou às duas últimas finais e venceu uma delas.

Vai além disso. Desde o início da temporada 2017-18, Salah, Mané e Firmino somam 158 gols na UCL e na Premier League. São quase dois terços dos 244 gols totais da equipe nesse período. Além dos três, nenhum jogador que ainda está no elenco do clube marcou mais de sete gols.

De acordo com as avaliações de transferência do observatório de futebol do CIES, os três atacantes do Liverpool valem um total de R$ 2,3 bilhões. Salah (R$ 972 milhões) está listado como o segundo jogador mais valioso do mundo, atrás de Kylian Mbappé, enquanto Mané (R$ 698 milhões) é sexto e Firmino (R$ 638 milhões) é oitavo. Sem surpresa, nenhum outro clube tem três jogadores entre os dez primeiros.

No entanto, esses valores não serão tão altos por muito mais tempo: Salah completou 27 anos em junho, Mané comemorou a mesma idade abril e Firmino faz 28 anos em outubro. A maioria dos jogadores começa a perder valor nessa idade. Quando isso acontece com três caras ao mesmo tempo, o efeito no desempenho da equipe pode ser exponencial.

Então, o Liverpool tem um problema para resolver. É um problema que eles têm sorte em ter, mas não deixa de ser um problema.

Entre os três primeiros, Salah é o intocável. Nas últimas duas temporadas, ele lidera a equipe em chutes, gols, assistências, assistências, oportunidades, chances criadas, grandes chances criadas e toques no campo de ataque. Basicamente, qualquer estatística de ataque é liderada pelo egípcio.

Quanto a Mané e Firmino, vai acabar ficando entre idade versus valor atual. Apesar de funcionar como o 9 do time, Firmino lidera a equipe nas bolas enfiadas ao longo das duas últimas temporadas. Ele está a apenas dois gols atrás de Mané nesse período, enquanto também oferece o dobro de assistências em relação ao camisa 10 (22x11). Mas Firmino é sete meses mais velho e Mané foi um dos artilheiros da Premier League na última temporada, o que nos faz crer que seu preço seria maior.

Parece absurdo até pensar em desmanchar um dos melhores trios de ataque que vimos neste século, mas para permanecer competitivo, a maioria dos clubes deve constantemente tentar equilibrar o presente com o futuro. Poucos clubes podem, realmente, se dar ao luxo de maximizar o presente e o futuro ao mesmo tempo. Liverpool não é uma dessas equipes - pelo menos não ainda.

O clube tem muito dinheiro para gastar e uma fonte que trabalha com clubes europeus disse à ESPN que espera que o faturamento do Liverpool, após duas boas campanhas Champions League e com o maior acordo da TV mundial da Premier League, em breve acompanhe times como Manchester City e Paris Saint-Germain, dois clubes que podem pensar no futuro sem ter que abrir mão do presente. No entanto, o dono do Liverpool, John Henry, disse ao The New York Times em maio que as compras de Alisson, Van Dijk e Fabinho não teriam sido possíveis se o clube não tivesse vendido o Coutinho ao Barcelona.

Qualquer que seja seu futuro financeiro, parece que pouco mudará no Liverpool nesta temporada - e talvez na próxima também. Mas em algum momento, o clube entrará em uma nova era - por bem ou por mal.