<
>

Campeão do mundo em 62, 'melhor marcador de Garrincha' e ídolo do Fluminense, Altair morre aos 81

Morreu nesta sexta-feira, aos 81 anos, o ex-lateral-esquerdo Altair Gomes de Figueiredo, um dos maiores ídolos da história do Fluminense.

Ele estava internado há duas semanas no Hospital das Clínicas de São Gonçalo e teve falência múltipla dos órgãos.

A notícia foi dada pela própria equipe carioca, que lamentou o falecimento e disse que pedirá à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) a realização de homenagens.

"Altair Gomes de Figueiredo, um dos maiores nomes da história do Fluminense, nos deixou na manhã desta sexta-feira, aos 81 anos. O clube decretou luto oficial por três dias e solicitou à CBF que se respeite um minuto de silêncio em todas as partidas da 14ª rodada do Brasileiro", escreveu o time das Laranjeiras.

O ex-atleta defendeu o Flu entre 1955 e 1971, tornando-se o 4º jogador a mais vezes vestir o manto tricolor, com 551 partidas - também defendeu o Sport em 1971, antes de se aposentar.

Ao todo, ele ganhou duas vezes o Torneio Rio-São Paulo e três vezes o Campeonato Carioca pelo Flu.

Durante seu período nas Laranjeiras, Altair também ficou marcado pelos muitos enfrentamentos contra Mané Garrincha, ídolo histórico do rival Botafogo.

Ele foi diversas vezes considerado o melhor marcador do "Anjo das Pernas Tortas".

O ex-lateral também defendeu a seleção brasileira com enorme sucesso, fazendo parte da campanha do título da Copa do Mundo de 1962, no Chile - foi reserva de Nílton Santos.

O ídolo ainda foi treinador interino do Fluminense em algumas ocasiões, e era auxiliar de Joel Santana na histórica conquista do Carioca de 1995, com o gol de barriga de Renato Gaúcho sobre o Flamengo.

O sepultamento de Altair acontecerá às 17h (de Brasília) desta sexta-feira, no Cemitério Maruí, em Niterói.