<
>

Rever se inspira em histórico positivo para buscar virada sobre o Cruzeiro

play
'O grande rival do Cruzeiro atualmente é a polícia': Rômulo brinca que Atlético-MG não merece o posto (0:30)

Durante o BB Debate, apresentador Rômulo Mendonça brincou com a vitória por 3 a 0 do time celeste (0:30)

O Atlético-MG entra em campo na próxima quarta-feira, contra o Cruzeiro, no Independência, precisando fazer, pelo menos, três gols de diferença para levar o duelo para os pênaltis e seguir sonhando com acesso para as semifinais da Copa do Brasil. O zagueiro Rever busca na memória os feitos do clube em 2013 e 2014, na Libertadores e Copa do Brasil, para seguir focado na tentativa de reverter o placar.

“A gente não precisa ir longe (para pegar exemplos de grandes viradas), em 2014, na Copa do Brasil, tendo dois resultados onde a gente tinha que se lançar de qualquer maneira pra cima dos adversários (Corinthians e Flamengo), na Libertadores a mesma coisa, a gente conseguiu fazer os feitos, cada jogo é sua história, mas o Atlético está calejado disso, pra gente não é nada diferente do que já enfrentamos, e ir em busca do objetivo. Tem tantos lemas, a partir do momento que há chance, vamos lutar até o último momento, quando o juiz apitar o final do jogo a gente desiste”, destacou.

Em 2013, o Atlético precisou virar jogos contra o Newells Old Boys e também Olímpia, ambas após perder o primeiro jogo por 2 a 0. Na Copa do Brasil do ano seguinte, a equipe mineira perdeu também por 2 a 0 para Corinthians e Flamengo, quartas de final e semifinais. No caso da competição brasileira, o clube ainda iniciou sofrendo gols na partida em Belo Horizonte, mas conseguiu viradas por 4 a 1.

Para Rever, com o resultado muito favorável, o Cruzeiro jogará fechado desde o primeiro minuto de jogo.

“Sem dúvida, eu acredito que com a vantagem não deve ser diferente do que encontramos (fechados), sabíamos que o segundo jogo em casa seria importante pra gente, no quesito torcida em massa, mesmo com toda situação adversa para o segundo jogo, vamos nos doar mais pelo companheiro para que a gente possa incendiar o Independência, nós gostamos de jogar lá, fazemos pressão no adversário lá, esse jogo vai ter mais essa pressão, lá vai ser um verdadeiro caldeirão, estar numa noite feliz e conquistar a classificação”, salientou o zagueiro.

A receita do acesso para Rever é simples: fazer gols. “Fazer gols, isso que precisamos, coisa que deixamos de fazer no primeiro jogo, sabemos que temos que melhorar muito em alguns aspectos, ser mais competitivos para alcançar o nosso objetivo”, finalizou.