<
>

Lucas revela a canal frustração com Pochettino sobre reserva na Champions: 'Seria melhor se ele tivesse conversado comigo'

Lucas Moura, 26, acredita que a temporada 2018-2019, pelo Tottenham, tenha sido a melhor de sua carreira.

"Fiz três gols na semifinal da Champions League, joguei e fui importante. Nem nos meus melhores sonhos, eu imaginava algo assim", disse o atacante, em entrevista ao canal Desimpedidos.

Mesmo assim, Lucas revelou que se frustrou por ter começado como reserva na final da competição, quando seu clube foi derrotado pelo Liverpool, depois de ter sido o herói do time na semifinal, quando fez três gols contra o Ajax.

"Claro que fiquei chateado (por ter sido reserva). Mas fiquei muito mais chateado por ter perdido. Foi difícil, chorei bastante", disse

"É difícil, ninguém consegue entender", disse. "Pochettino não me falou nada. Só mostrou a escalação e já era. Cada treinador tem seu estilo. Alguns mais secos, alguns já conversam mais", disse

"Seria melhor se ele tivesse conversado comigo. Mas não falou. Fazer o quê?", disse, conformado.

SELEÇÃO, PSG E SÃO PAULO

Por conta de sua boa temporada, Lucas revelou que tinha a expectativa de ter sido convocado para a seleção brasileira que disputou a Copa América no Brasil, neste ano.

"Mas, a gente sabe que não pode criar muita expectativa. Se não vier, tem que estar acostumado", disse.

Indagado pelo entrevistador Bolívia se já conversou com Tite sobre a questão, Lucas afirmou: "Tite nunca me ligou, nunca me deu explicação. Mas também acho que não deve fazer isso", disse.

O jogador falou sobre outros temas que despertam curiosidades dos brasileiros e ainda mandou um recado aos torcedores do São Paulo.

"Não consigo pensar em jogar no Brasil novamente e não jogar no São Paulo", disse, ao comentar a atual crise no clube.

"É um período muito difícil, mas eu acredito que o clube vai retomar o caminho da glória", afirmou, antes de garantir. "É o clube do meu coração, que eu amo muito. Penso sim em voltar para o Brasil no São Paulo. Quero sentir de novo a sensação de vestir aquela camisa, jogar no Morumbi", disse.

"Se eu for para outro clube, será surreal", acrescentou.

Ainda sobre a seleção, porém, embora acredite que vai um dia voltar a ser chamado, o jogador disse que sua maior frustração foi não ter vindo para a Copa de 2014.

"Porque eu estava jogando bem e regularmente", disse. "Para 2018 (na Rússia), eu não tinha expectativa, porque estava sem jogar", disse ele, em referência aos sete meses em que ficou no Paris Saint-Germain praticamente sem ser aproveitado - muitas vezes, nem mesmo foi convocado para os jogos.

"Avalio minha passagem (pelo PSG) como positiva. Mas, sinceramente falando, eu queria jogar mais. Fiquei sete meses sem ser convocado para os jogos, foi o pior momento da carreira", afirmou.

"Eu vinha da minha melhor temporada. Fiz 19 gols, fiquei atrás só do Cavani e, nas férias, pensei que ia ser o meu ano. Quando voltei, anunciaram que estavam trazendo um jogador", disse ele. Esse jogador era Neymar.

"Disseram para eu procurar outro clube. Mas eu pensei: 'tenho contrato, vou ficar aqui, dar a vida e conquistar meu espaço'". contou. Como se sabe, ele não teve êxito no plano. E acabou indo para o Tottenham, onde reencontrou o rumo de sua carreira.