<
>

Dirigente boliviano é morto a tiros e causa comoção: 'Nem o futebol se salva da violência'

Blooming decretou luto pela morte do vice-presidente da equipe Reprodução

A morte a tiros de um dirigente de futebol na Bolívia, que está sendo investigada pelas autoridades, provocou comoção no país nesta sexta-feira.

“Estamos consternados e abatidos”, foram os termos empregados para expressar comoção através do presidente do Blooming, Juan Jordán, depois do tiroteio ocorrido na noite de quinta-feira, que vitimou o vice-presidente da equipe, Nelson Mauriel Álvarez, alvejado diversas vezes.

O tiroteio ocorreu em uma das avenidas mais movimentadas da cidade de Santa Cruz de La Sierra, sede do Blooming, um dos clubes mais importantes da Bolívia.

Jordán explicou que Álvarez estava saindo de uma reunião com fornecedores sobre o desenho e a comercialização do uniforme do clube, quando recebeu vários disparos.

Sebastián Peña, outro dirigente do clube que acompanhava Álvarez, também foi ferido.

O presidente do Blooming visitou Peña no hospital e afirmou que ele provavelmente terá que passar por cirurgia, salientando que o cartola foi atingido por três disparos na perna e um no braço.

Peña, aliás, ainda conseguiu dirigir seu carro até o hospital mesmo depois de levar quatro tiros, segundo reportou o jornal El Deber.

O suposto agressor, que seria de nacionalidade colombiana, circulava em uma motocicleta, e disparou os tiros enquanto estava montado no veículo.

No entanto, ao tentar escapar, ele bateu em um carro e foi detido na sequência, informou a Polícia boliviana.

Nos bastidores, o ocorrido é apontado como uma ação do crime organizado na cidade de Santa Cruz de La Sierra, que é a maior da Bolívia.

O empresário e político da oposição Samuel Doria Medina lamentou, através de seu Twitter, que “nem o futebol se salva da violência e do crime organizado”.

Times bolivianos, como Oriente Petrolero, Guabirá e Jorge Wilstermann, também usaram suas redes sociais para expressar condolência ao dirigente que faleceu e ao Blooming, time que ele representava.