<
>

Argentina: Messi teve 9 técnicos em 14 anos de serviço à seleção

play
Comentarista da ESPN, ex-Corinthians Sebá Domínguez critica a Argentina: 'Perdeu a identidade' (1:57)

Para o comentarista, seleção argentina deve se classificar em segundo ou terceiro lugar no grupo (1:57)

Nesta quarta-feira, a Argentina enfrenta o Paraguai, pela 2ª rodada da fase de grupos da Copa América 2019, precisando de um resultado positivo para não "enterrar" de vez o trabalho do técnico Lionel Scaloni.

Ele está no comando desde setembro de 2018, após a saída de Jorge Sampaoli depois do fracasso na Copa do Mundo da Rússia, e ainda tenta se firmar no cargo.

Não seria surpresa nenhuma, porém, se o comandante fosse mais um treinador da Albiceleste a ser mandado embora após pouco tempo de trabalho, o que tornou-se algo comum nos últimos anos.

Para ser mais exato: desde que Lionel Messi, ainda a principal estrela da equipe, começou a jogar pela seleção, em 2005, ele trabalhou com nada menos do que nove professores!

A estreia de La Pulga foi em agosto de 2005, quando José Pékerman era o encerregado. Ele ficaria no cargo até 2008, quando saiu e deu início a uma verdadeira "roleta russa" de treinadores.

Nos anos seguintes, a Argentina foi comandada por Alfio Basile (2008 a 2010), Diego Maradona (2010 a 2011), Sergio Batista (2011 a 14), Alejandro Sabella (2014 a 2016), Gerardo "Tata" Martino (2016 17), Edgardo Bauza (2017 a 18) e Jorge Sampaoli (2018), até chegar a Scaloni, o atual.

Em todas essas trocas, a Albiceleste jamais ganhou um título. Chegou perto, é verdade, alcançando uma final de Copa do Mundo com Sabella e duas de Copa América (uma com Sabella, outra com Martino). No entanto, só amargou vices.

E, de todos esses nomes, são bizarras as comparações de estilos entre os professores, com cada um tentando implementar ideias totalmente opostas, o que só atrapalhou ainda mais a seleção.

Questionado na última terça-feira sobre qual é seu estilo, Lionel Scaloni, que tem 41 anos e ainda está em início de carreira, definiu-se como um amante do jogo bonito.

"Jogar bem para alguns é uma coisa, e para mim é outra. Eu interpreto que, quanto melhor você jogar, mais chance tem de ganhar. Nos primeiros 25 minutos do segundo tempo contra a Colômbia (na estreia), nós jogamos bem. É dessa maneira que quero jogar e ganhar", explicou.

"Essa é a única maneira que quero jogar. Se você ganha sem merecer, também valem os pontos, mas não é o que queremos", completou.

Contra o Paraguai, Scaloni deve escalar a seguinte equipe, de acordo com o treino da manhã da última terça, na Cidade do Galo: Armani; Casco, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, Pereyra, Lo Celso e De Paul; Messi e Lautaro Martínez.

A Argentina é a lanterna do grupo B, com 0 ponto, enquanto o Paraguai está empatado com o Catar, com 1 ponto, em 2º lugar.

O duelo está marcado para esta quarta-feira, às 21h30 (de Brasília).