<
>

Jornal aponta Barcelona e Real Madrid como culpados pelo fracasso da Espanha na Europa

play
Alisson admite frustração depois de Liverpool perder título para City, mas já pensa em final da Champions: 'Por mim, jogaria amanhã' (2:15)

Goleiro falou com o repórter João Castelo-Branco depois da última partida do Liverpool na Premier League (2:15)

Na atual temporada do futebol europeu, a Inglaterra dominou a Europa.

Liverpool e Tottenham são os finalistas da Champions League, enquanto Arsenal e Chelsea decidirão a Liga Europa.

É uma diferença gritante para as últimas temporadas, que viu a Liga dos Campeões ser dominada pelo Real Madrid, enquanto o 2º torneio continental mais importante da Uefa foi vencido de maneira consecutiva pelo Sevilla até dizer chega.

O que explicaria, então, esse "fracasso" espanhol em 2018/19, e também o súbito sucesso dos clubes ingleses, que vinham "capegando" em torneios europeus em temporadas recentes - especialmente na Champions.

Para o jornal espanhol El Confidencial, o momento ruim da Espanha tem dois culpados: Real Madrid e Barcelona.

Segundo o diário, os clubes ingleses atuam em conjunto em relação à Premier League, valorizando a competição e, consequentemente, tornando todas as equipes do país mais fortes.

Por outro lado, o veículo aponta que Barça e Real estão "minando" LaLiga, enfraquecendo o torneio e, logo, os outros clubes ibéricos.

"Há algumas semanas, os 20 times da Premier Leaque se reuniram para discutir a proposta da Uefa de criar uma Superliga Europeia. A ideia, inicialmente pensada para ser executada a partir da temporada 2024/25, traz enorme preocupação a eles. Tanto que decidiram, em um comunicado conjunto, emitir posicionamento contrário ao formato. 'Na Inglaterra, o futebol tem um papel importante em nossa cultura e vida quotidiana. Milhões de torcedores assistem às partidas em todo o país, com lealdades e rivalidades locais que passam de geração para geração. Temos uma fantástica combinação de futebol competitivo e torcedores comprometidos, que defenderemos vigorosamente'. Que inveja...", escreveu o El Confidencial, ironizando em seguida a situação oposta vivida na Espanha.

"Enquanto isso, na Espanha, os dois grandes, Real Madrid e Barcelona, se separaram do resto dos clubes que formam LaLiga. NA Premier, todos chegaram a um acordo unânime sobre ser contra a ideia da Uefa, já que, segundo eles, 'não é apropriado que os organismos do futebol europeu criem planos que alteram as estruturas, o calendário e a competitividade das ligas nacionais'. Ademais, adicionaram que 'trabalham juntos para proteger a Premier League'. Muito diferente, da Espanha, com uma Federação que faz de tudo, ano após ano, para atrasar a evolução no futebol espanhol, tanto no profissional quanto no amador, tanto no masculino quanto no feminino, pela ânsia de poder e protagonismo de seu presidente", detonou.

O jornal ainda destacou que a Superliga Europeia foi refutada em conjunto pelas equipes da Bundesliga, inclusive o Bayern de Munique, e da Itália, com exceção da Juventus.

Já na França, a Federação local ameaçou tirar a licença de clubes que apoiam a nova ideia da Uefa.