<
>

Chelsea declara guerra aos cambistas; veja o que clube vai fazer

Segundo o jornal The Guardian, o Chelsea iniciou uma "guerra" nunca antes vista na história do futebol inglês contra os cambistas, usando a Justiça como aliada.

A equipe londrina contratou detetives particulares, que trabalharam disfarçados durante meses para filmar a ação de revendedores de ingressos e identificá-los para as autoridades policiais.

Recentemente, isso resultou na detenção de dois homens: John Bourke e Gary Shepherd, que foram a julgamento e admitiram a prática do cambismo, que é ilegal segundo as leis da Inglaterra.

Foi a primeira vez que algo do gênero aconteceu na Grã-Bretanha.

Eles acabaram liberados, mas só após restituírem 14.655 libras (R$ 74.254,69) ao Chelsea, além de assinarem um documento que os proíbe de praticar vadiagem a 400 jardas do Stamford Bridge e 200 jardas da estação de metrô Fulham Broadway, próxima ao estádio.

Caso eles sejam flagrados novamente cometendo o delito, receberão multa e poderão até ser presos, além de terem posses confiscadas pela Justiça.

"Isso é parte de uma campanha feita pelo Chelsea para afastar os cambistas de Stamford Bridge. Esperamos sinceramente que isso não se repita e que eles (Bourke e Shepherd) precisem ir a julgamento", disse Ed Rowntree, advogado que representou o Chelsea no caso.

A Justiça ainda ordenou que eles devolvessem ao Chelsea quaisquer ingressos que ainda tivessem em suas posses, assim como fornecer detalhes das vendas que fizeram no passado ou que já tivessem acertado futuramente.

De acordo com o juiz do caso, Justice Stewart, essas informações irão ajudar os Blues principalmente a detectar quem são as pessoas que repassam os bilhetes aos cambistas.

A principal suspeita é que sejam season ticket holders, ou seja, torcedores que compram ingressos para a temporada inteira e depois lucram de maneira ilegal revendendo os tíquetes.

Em seu depoimento, porém, o cambista Bourke fez mistério.

"Eu sou apenas uma pequena peça de uma engrenagem. Sou uma pequena peça do maio relógio do mundo", afirmou.