<
>

Ex-Palmeiras, Dyego Sousa tem o mesmo superagente de Cristiano Ronaldo e defende Portugal

Convocado pelo técnico Fernando Santos para as Eliminatórias da Euro, Dyego Sousa pode ser o sétimo brasileiro a vestir a camisa de Portugal na história, caso entre na partida contra a Ucrânia, nesta sexta-feira.

“Foi uma notícia inesperada”, admitiu o jogador, ao ESPN.com.br, completando que estava proibido de dar entrevistas até voltar da seleção.

Praticamente um desconhecido em seu país natal, o atacante faz muito sucesso com o Braga-POR nas últimas temporadas e é agenciado por ninguém menos do que Jorge Mendes, empresário de Cristiano Ronaldo e de outros jogadores de sucesso.

Durante sua infância e adolescência em São Luís, Dyego ajudava o pai, que era caminhoneiro.

“Ele teve uma loja de calçado e depois passou a vender café. Entregávamos café em fábricas e armazéns. Adorava fazer isso nas minhas folgas da escola e dos treinos”, disse, ao Maisfutebol.

Ele jogava futebol no Moto Club e em outros dois times de futsal. Em um destes torneios foi descoberto pelo Palmeiras, no qual teve uma passagem frustrante de um ano e meio.

Não conseguiu se adaptar ao clube e a cidade e acabou dispensado em 2007. Ao retornar ao Maranhão, foi visto em uma pelada na rua e mandado para o Nacional-POR, com apenas 17 anos. Após ficar um tempo na base, o atacante sofreu uma lesão e precisou voltar ao Brasil para se tratar. Ficou aguardando um telefone do clube português que nunca veio...

A segunda chance em Portugal só aconteceria em 2010, quando foi contratado pelo Leixões. Passou ainda pelo Interclube, de Angola, Tondela e Portimonense até – ironicamente - chegar ao Marítimo, da Ilha da Madeira, arquirrival do Nacional.

Em três temporadas no time rubro-verde chamou atenção pelos gols e por algumas polêmicas. Em 2016, pegou um gancho de seis meses por agredir um árbitro assistente no jogo contra o Tondela.

“Quando cheguei ao Marítimo, a diretoria não me deu informações boas do Dyego. Eu ouvi-las, mas me preocupei em conhecê-lo. Para minha felicidade vi um jogador comprometido, competitivo e de uma grande capacidade de finalização. Ele é muito forte e sabe trabalhar o pivô. Na pré-temporada foi artilheiro disparado da equipe. Como todo jogador altamente competitivo, ele é enérgico”, disse Paulo César Gusmão, ex-técnico do Marítimo, ao ESPN.com.br.

“Depois do que aconteceu, pensei que o Marítimo me ia mandar embora. O técnico abraçou-me, disse que estava comigo e que as pessoas erravam. Senti esse carinho e foi determinante. Agradeço-lhe até hoje essa reação de amigo. Fiquei marcado por ele”, admitiu Dyego, ao Maisfutebol.

Após ser abraçado pelo treinador e tomar também um “puxão de orelhas” da esposa, ele deixou as controvérsias de lado e foi contratado em 2017 pelo Braga, quarto maior clube de Portugal.

Para continuar em ascensão na carreira, o atacante disse ao UOL Esporte que recusou uma oferta do Benfica devido à grande concorrência em seu setor.

Na atual temporada ele balançou as redes 19 vezes em 34 jogos, sendo o vice-artilheiro do Campeonato Português com 14 gols, um a menos do que Seferovic, do Benfica.

“Ele conquistou seu espaço, lutou e tem todo mérito de chegar à seleção de Portugal. Está com números altamente favoráveis pelo seu mérito. Um cara extremante família e que está fazendo o melhor. Tenho o Dyego como um filho e ele sabe disso”, elogiou Gusmão.

Dono de passaporte português, Dyego esperava uma convocação da seleção europeia, apesar de o treinador Fernando Santos haver sinalizado que não iria mais convocar jogadores naturalizados. Para levar o atacante, porém, o técnico abriu uma exceção.

“Sempre nos falamos para saber como ele está. Hoje, fico na torcida pra que possa ter uma chance e fazer tudo aquilo que sabe e chegar ainda mais longe. Ele acreditou em seu potencial e tudo que colocamos para ele no seu momento de fragilidade profissional. Espero que seja muito feliz”, disse Gusmão.

Caso entre em campo, ele irá fazer companhia a Deco, Pepe, Liédson, Ronny Lopes, Celso e Lúcio Soares como os únicos brasileiros a jogarem por Portugal.