<
>

Um ano de atraso e saída a contragosto: documentário conta detalhes da passagem de Maradona pelo Barcelona

Os 700 dias em que o argentino Diego Maradona foi jogador do Barcelona são o tema central do documentário "Fútbol Club Maradona", que estreará nesta semana na emissora espanhola "Movistar", ainda sem previsão de ser exibido no Brasil.

A obra é dirigida por Roberto Rodríguez e retrata o surgimento do astro no Argentinos Juniors e a transferência para os 'blaugranas', vindo do Boca Juniors. São exibidos depoimentos do agente Josep Maria Minguella, um dos principais responsáveis para que o negócio acontecesse, e do vice-presidente do Barça à época, Joan Gaspart.

O empresário relembra a primeira vez que viu Maradona em campo, em 1977, quando foi acompanhar jogo do Argentinos Juniors, com o objetivo de ver de perto um atacante que interessava o Burgos, à época na elite do futebol espanhol.

"Foi a primeira grande contratação em que me envolvi. Para conseguir, fiz mais viagens que a Aerolíneas Argentinas", brinca Minguella, no documentário, em referência a famosa companhia aérea do país sul-americano.

A produção relembra que o Boca pagou US$ 100 mil, em 1978, para contratar Maradona junto ao Argentinos Juniors, por empréstimo. Quatro anos depois, o Barça levou o craque por cerca de US$ 7,6 milhões, pagos aos dois clubes de Buenos Aires.

O acordo pela aquisição de 'El Pibe' havia sido fechado um ano antes, mas, o almirante Carlos Alberto Lacoste, que chegou a exercer a presidência da Argentina por 11 dias, vetou a saída do craque. "Ele me disse que o país precisava dele para a Copa do Mundo na Espanha", conta Minguella.

O agente conta que, em uma época que um carro custava o equivalente a 600 euros, o salário de Maradona era de 154 euros. No entanto, o Barcelona recuperou todo o valor investido, praticamente, antes da estreia do argentino.

No vestiário, o astro chamou logo a atenção pela técnica, com 200 embaixadinhas em bola de meia ou em um limão. A euforia da torcida era tamanha que o estádio Camp Nou lotava meia hora antes das partidas, para que fosse possível ver os malabarismos do 'Pibe'.

O documentário lembra ainda que o jogador contraiu hepatite na primeira temporada - segundo alguns testemunhos, teria se tratado de uma doença sexualmente transmissível - e sofre uma lesão grave na segunda, o que prejudicou a passagem pelo Barça.

Ainda assim, com a camisa 'blaugrana', Maradona fez 58 jogos e marcou 38 gols. No período, o clube conquistou um título da Copa do Rei da Espanha, uma Copa da Liga (competição já extinta) e uma Supercopa nacional.

Em 1984, na final de mais uma edição da Copa do Rei, Maradona decepcionou na derrota para o Athletic Bilbao por 1 a 0, justamente, em reencontro com o zagueiro Andoni Goikoetxea, que o havia lesionado meses antes.

Logo depois, começaram a surgir as notícias da saída do argentino do Barcelona. Minguella lembra que o craque não queria sair do clube, mas, mudou de ideia depois de saber que o próprio presidente à época, Josep Lluis Núñez, queria negociá-lo.

"Quando sabe que gostariam de vendê-lo, ele se irrita", diz o agente.

Joan Gaspart, por sua vez, nega a história e diz que o representante de Maradona, Jorge Czysterpiller, foi quem forçou a transferência. Assim, 15 dias depois do jogo com o Athletic, Maradona acertava a ida para o Napoli, onde se tornou ídolo, encerrando assim a passagem pelo Barcelona.