<
>

Como teria sido a primeira fase da Copa do Mundo sem o VAR?

Certamente a grande novidade da Fifa para esta Copa do Mundo se tornou também a maior polêmica da competição: o árbitro de vídeo.

Sem um critério estabelecido - ou estabelecido, mas não respeitado - e gerando críticas sobre a sua utilização, o VAR foi elogiado por uns e criticado por outros. Enquanto a tecnologia salvou algumas injustiças, também cometeu outras.

Mas independentemente do uso dele ou não, a grande questão que fica após o fim da primeira fase da Copa do Mundo é: como teria sido o Mundial da Rússia até aqui se o VAR não existisse?

Para isso, juntamos todas as instâncias em que o árbitro de vídeo reverteu alguma decisão dada ou não pelo juiz que estava em campo e como isso influenciou no resultado final da partida. Claro, tudo está no campo das hipóteses, afinal, tudo poderia acontecer no restante das partidas que tiveram influência do VAR.

Obviamente, não temos como medir o fator psicológico de uma falta revertida, cartão dado ou pênalti perdido. Portanto, só mudamos os resultados efetivos da utilização do VAR. Por exemplo: o pênalti perdido por Cristiano Ronaldo contra o Irã não entrou na conta, já que o resultado final do jogo só seria mudado se ele tivesse convertido a cobrança.

Grupo A

Ficaria igual. O Uruguai terminaria em primeiro, e a Rússia, dona da casa, em segundo. Infelizmente para os fãs de Salah, ele continuaria sem chances de avançar para a fase de mata-mata do Mundial.

Rússia 3 x 1 Egito

- Pênalti dado pelo VAR após árbitro não marcar o lance em campo, Salah fez o gol, seu único na Copa do Mundo. Seria 3 a 0 para a Rússia.


Grupo B

Inversão nos dois primeiros lugares. Portugal seria líder do grupo com 7 pontos, e a Espanha passaria em 2º com 4. A alteração mudaria os duelos nas oitavas de final: Espanha pegaria Uruguai, e Portugal enfrentaria a Rússia.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

Irã 1 x 1 Portugal

- VAR deu pênalti a favor de Portugal, Ronaldo perdeu.

- Ronaldo (POR) recebeu cartão amarelo após revisão do VAR. Inicialmente, ele não tinha recebido nada e poderia levar o vermelho.

- VAR deu pênalti para o Irã, Ansarifard marcou. Seria 1 a 0 Portugal.

Espanha 2 x 2 Marrocos

- Bandeirinha havia marcado impedimento no gol de Iago Aspas, VAR reverteu a decisão. Seria 2 a 1 Marrocos.


Grupo C

Também com inversão na posição dos dois classificados. Dinamarca avançaria em 1º no grupo com 7 pontos e enfrentaria a Argentina. A França, com 5 pontos, pegaria a Croácia. Hipoteticamente, claro, já que, com o VAR, franceses e dinamarqueses entraram em campo garantidos na terceira rodada e protagonizaram o primeiro 0 a 0 da Copa-2018.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

França 2 x 1 Austrália

- Pênalti para a França não havia sido marcado, VAR entrou em ação, marcou, e Griezmann fez o primeiro gol da vitória. Seria 1 a 1.

Dinamarca 1 x 1 Austrália

– Pênalti dado para a Austrália após flagra do VAR, Jedinak marcou o gol. Seria 1 a 0 Dinamarca.

Peru 0 x 1 Dinamarca

– Peru ganhou pênalti dado pelo VAR (Cueva errou).


Grupo D

Ficaria igual, ou seja, o sufoco da Argentina na partida decisiva contra a Nigéria continuaria o mesmo, assim como o sofrimento de Diego Maradona. A Croácia seguiria em primeiro, com 9 pontos,e o time comandado por Jorge Sampaoli se classificaria em segundo, com 4 pontos.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

Nigéria 2 x 0 Islândia

– VAR deu pênalti para a Islândia, Sigurdsson desperdiçou.


Grupo E

Ficaria igual. O Brasil se classificaria em primeiro da mesma maneira, talvez mais fácil se o pênalti marcado em cima de Neymar fosse confirmado, mas vamos combinar que não foi nada na jogada. Time de Tite em primeiro, Suíça em segundo, sem novidade.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

Brasil 2 x 0 Costa Rica

- A primeira e única aparição do VAR em um jogo da seleção brasileira foi revertida. O árbitro Bjorn Kuipers deu pênalti em cima de Neymar, mas, após revisão, foi confirmado o lance normal.

Suíça 2 x 2 Costa Rica

- Árbitro Clement Turpin havia dado pênalti para a Costa Rica, mas o VAR anulou após ver impedimento do atleta envolvido no lance.


Grupo F

Ficaria igual. A Coreia venceria a Alemanha mesmo com a revisão da tecnologia, que "tiraria" um gol dos asiáticos. Assim, a Suécia permaneceria em primeiro, enquanto o México seguiria na segunda colocação.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

Coreia do Sul 2 x 0 Alemanha

- Bandeirinha havia dado impedimento no gol de Kim Young-Gwon. Após revisão, o VAR validou o gol.


Grupo G

Ficaria igual. A novidade, se é que dá para chamar de novidade, foi a campanha 100% da Bélgica, mesmo poupando praticamente todo o time no duelo decisivo contra a Inglaterra na terceira rodada.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

O árbitro de vídeo não entrou em campo em nenhuma das seis partidas do grupo na primeira fase. Assim, a chave formada por Bélgica, Inglaterra, Tunísia e Panamá se tornou a única a não ter o auxílio da tecnologia na competição.


Grupo H

Ficaria igual. O único lance que poderia mudar a história do grupo aconteceu no primeiro tempo de Senegal x Colômbia, com o pênalti marcado para os africanos e depois de revisado, "desmarcado". A novidade foi a primeira classificação da história graças ao fair play, com o Japão avançando e Senegal sendo eliminada no número de cartões.

Quando o VAR reverteu uma decisão?

Senegal 0 x 1 Colômbia

- Árbitro Milorad Mazic deu pênalti para Senegal, mas o VAR anulou após ver o lance como normal. Tudo seria diferente sem o auxílio da tecnologia? Jamais saberemos.


Como seriam as oitavas sem o VAR?

Uruguai x Espanha

Dinamarca x Argentina

Brasil x México

Bélgica x Japão

Portugal x Rússia

Croácia x França

Suécia x Suíça

Colômbia x Inglaterra