<
>

Confiança no ataque e dúvidas na defesa: especialistas brincam de técnico e convocam Portugal à Copa

Seleção portuguesa em amistoso contra a Holanda Getty Images

Cada cabeça, uma sentença. Ou uma lista. Às vésperas de uma Copa do Mundo, cresce a expectativa pela divulgação dos convocados, e discutir quem serão os 23 nomes é diversão garantida para os apaixonados. Aqui ou do outro lado do Atlântico. Atual campeã europeia, a seleção de Portugal chegará à Rússia com um ataque poderoso, comandado por Cristiano Ronaldo, mas com muitas incertezas no sistema defensivo. Pelo menos é o que dizem os especialistas consultados pelo ESPN.com.br.

A reportagem ouviu seis profissionais, pedindo a eles suas listas de 23 nomes. Também foi solicitado que cada um apontasse quais destes nomes, na opinião deles, não estaria na lista final de Fernando Santos.

São eles: Marcus Alves, correspondente de UOL, FourFourTwo, Bleacher Report e Kicker em Lisboa; Mamede Filho, jornalista, produtor de informação da Sport TV Portugal; Hernâni Ribeiro, responsável pelo GoalPoint.pt, site de análises baseado em ferramentas estatísticas; Tiago Estevão, analista de desempenho e recrutamento e autor do podcast Linha Lateral; Luís Cristóvão, comentarista da Eurosport Portugal e autor do podcast Linha Lateral; José Carlos Marques, docente da Unesp/Bauru e líder do GECEF (Grupo de Estudos sobre Comunicação, Esporte e Futebol).

Veja como cada setor foi avaliado.

GOLEIROS

Fernando Santos está bem servido com o titular Rui Patrício, do Sporting, e seu reserva imediato, Anthony Lopes, do Lyon. Ambos foram citados por todos os entrevistados.

Rui Patrício, aos 27 anos, já é o terceiro goleiro com maior número de partidas por Portugal com 68, doze a menos que Vítor Baia, e não deve demorar a se tornar o recordista. "Apesar de não ser tão badalado internacionalmente é um goleiro experiente, frio e muito técnico. Poderia estar facilmente em uma das grandes ligas", elogia Mamede Filho.

A divergência aparece no nome do outro 'guarda-redes'. Embora a maioria concorde que Beto (atualmente no Göztepe, da Turquia) provavelmente seja o eleito pelo treinador, metade dos especialistas levaria outro. José Sá, do Porto, teve dois votos, e André Moreira, do Belenenses, um.

"Penso que seria muito mais interessante para o futuro da seleção levar um jogador de 25 anos que deve retomar a titularidade do Porto do que um de 35 anos e que não oferecerá mais nada", justifica Mamede, que optou por José Sá. Mesma lógica de Marcus Alves, que votou em André Moreira: "Seria uma alternativa para o futuro, mas muito provavelmente a escolha para terceiro goleiro recairá sobre o veterano Beto"

LATERAIS

Na lateral-direita, Cédric Soares foi escolha quase unânime (só não foi o eleito de Luis Cristóvão), apesar da temporada discreta com o Southampton, ameaçado de rebaixamento na Premier League. Quanto à segunda opção, os entrevistados se dividiram entre Nélson Semedo, do Barcelona, e Ricardo Pereira, do Porto.

Semedo foi titular em apenas 14 das 33 partidas do Barça pela liga espanhola, enquanto Ricardo se firmou como um dos principais laterais do futebol português após retornar de dois anos cedido ao Nice. A boa temporada, porém, pode ter chegado tarde demais para o portista. Além de Cédric e Semedo, ele parece estar atrás de João Cancelo, da Internazionale.

"Ricardo Pereira é um dos laterais em melhor forma na Europa, mas só nesta temporada tem começado a ganhar reputação em Portugal", avalia Hernâni Ribeiro, do GoalPoint.pt. "Ele é sem dúvida o mais completo, mas dificilmente vai 'ultrapassar' os outros três neste momento, na cabeça do técnico".

Na esquerda, as opções são menos abundantes, e todos os entrevistados citaram Raphael Guerreiro, do Borussia Dortmund, titular na conquista da Euro 2016. Guerreiro, porém, não começa um jogo da Bundesliga desde dezembro, e no início deste mês voltou a sofrer lesão muscular na coxa. Outros nomes mencionados são o do experiente Fábio Coentrão (Sporting) e a novidade Mário Rui, do Napoli, que estreou pela seleção em março.

ZAGUEIROS

As recentes convocações de Fernando Santos para a zaga têm três remanescentes do título europeu: Pepe (35 anos), José Fonte (34) e Bruno Alves (36). Pepe continua com o moral intacto e foi mencionado pelos seis especialistas. Já os outros... Fonte, que deixou o West Ham recentemente para se aventurar no futebol chinês, teve somente duas citações, enquanto Bruno Alves, que perdeu a titularidade no Rangers, da Escócia, só foi votado uma vez.

A necessidade de renovação fica evidente quando um jogador que ainda não estreou por Portugal é citado de forma unânime: Rúben Dias, capitão da equipe sub-20 no último Mundial e atualmente em grande temporada pelo Benfica. Ele chegou a ser chamado por Santos em março, mas teve de ser cortado por contusão. Será lembrado para a lista final mesmo sem experiência prévia?

Hernâni Ribeiro acredita que sim: "Esta é a posição mais carente e mais envelhecida da seleção, no entanto Fernando Santos tem sido fiel ao núcleo duro (Pepe, Fonte e Bruno Alves), mesmo estando os dois últimos em campeonatos muito pouco competitivos e atravessando fases menos boas. Rúben Dias será chamado para dar essa juventude e porque seria muito estranho a seleção não ter qualquer jogador do Benfica".

O principal concorrente na cabeça de Fernando Santos parece ser Luís Neto, do Fenerbahçe, que terá 30 anos quando começar o Mundial da Rússia. "É o único que oferece garantias", defende Marcus Alves, um dos três que votaram nele.

Também há boas opções entre jogadores nascidos em outros países, mas com passaporte português. É o caso de Damien da Silva, do Caen. O zagueiro de 29 anos faz temporada sólida e foi lembrado por três entrevistados, embora todos concordem que ele provavelmente não estará na lista final.

"Fernando Santos vai dar prioridade a jogadores mais experientes, enquanto eu iria procurar começar já a renovação de certas posições e beneficiar jogadores que tenham tido uma grande temporada", defende Tiago Estevão.

Quem já foi descartado por Santos, mas não por Mamede Filho, é o benfiquista Jardel. "Ele se naturalizou português em março, assumiu a braçadeira de capitão do Benfica com a ausência do Luisão, é muito identificado com o clube e com o país. E é muito melhor que o Bruno Alves, além de ser quatro anos mais novo. E a questão de ter nascido no Brasil é um detalhe que rapidamente é esquecido", argumenta o jornalista da Sport TV Portugal.

MEIO-CAMPISTAS

A lesão de Danilo Pereira, do Porto, deixa uma vaga aberta no setor.

O provável titular na função defensiva será William Carvalho, do Sporting, escolha unânime dos entrevistados. O substituto de Danilo seria Rúben Neves, destaque do acesso do Wolverhampton à Premier League. Neves, de 21 anos, foi citado por cinco dos seis especialistas.

João Moutinho, João Mário e Bruno Fernandes são os outros nomes que se aproximaram da unanimidade.

A fidelidade a dois nomes que atravessam período de baixa pode deixar boas opções de fora. Adrien Silva, do Leicester, e André Gomes, do Barcelona, são alguns dos favoritos de Fernando Santos e devem fechar as portas para Sérgio Oliveira, do Porto.

"Apesar de uma grande temporada no Porto, Fernando Santos tem escolhido, de forma consistente, ter Adrien Silva e André Gomes nas convocações. Por isso mesmo, creio que poderá ser um dos injustiçados na lista final", afirma Luís Cristóvão, um dos dois que escolheram o portista.

"Tanto Bruno como Manuel Fernandes seriam escolhas mais lógicas e mais unânimes nesta fase", complementa Hernâni Ribeiro, outro que deixou Adrien e André Gomes fora de suas opções.

EXTREMOS E ATACANTES

As posições de maior consenso na votação. Além de Cristiano Ronaldo, obviamente, também alcançaram a totalidade dos votos Bernardo Silva (Manchester City), Gelson Martins (Sporting) e Gonçalo Guedes (Valencia). Ricardo Quaresma (Besiktas) e André Silva (Milan) receberam, cada um, cinco votos.

A boa forma da maioria deste grupo gera otimismo, assim como o bom momento físico de Cristiano Ronaldo que não aconteceu em outros grandes torneios.

"Houve um salto de qualidade ofensiva muito grande entre o título europeu e a Copa da Rússia", defende Mamede Filho. "Esse salto dos meias e pontas ajudará muito a Cristiano Ronaldo. Acho que ele terá mais possibilidade de atuar como um finalizador, deixando a molecada nova correr por ele pelos extremos do campo. Se Portugal for avançando de fase isso será muito importante, porque vai preservar fisicamente o Ronaldo".

Acrescenta Marcus Alves: "Tudo pode ser superado se Cristiano Ronaldo fizer da Copa do Mundo a sua Liga dos Campeões. Num momento em que se ousava sugerir que o seu futebol não era mais o mesmo, a resposta veio e ele chega em excelente forma à Rússia".

Para Zeca Marques, esta deve ser a grande Copa do Mundo do vencedor de cinco Bolas de Ouro: "Deve ser o último Mundial que CR7 disputará ainda no auge; se ele compreender isso e tiver motivação para se superar como fez na Euro 2016, o grupo só terá a ganhar". Na mesma linha vai Hernâni Ribeiro: "A subida de forma de Ronaldo é o lado mais animador. Esta será provavelmente a última oportunidade para deixar uma marca forte num Mundial, e no que depender dele o empenho será total".

O QUE ESPERAR, ENTÃO?

O título europeu aumenta a confiança ou a responsabilidade? A estreia contra a Espanha vai determinar muito para os jogos seguintes, contra Marrocos e Irã.

"Contra a Espanha, Portugal vai tendencialmente adotar uma postura mais defensiva, mas se além de qualidade faltarem rotinas e entrosamento aos que forem escolhidos para o setor recuado, a situação é muito preocupante", alerta Hernâni Ribeiro.

Tiago Estevão, por sua vez, preocupa-se com a postura contra seleções mais frágeis: "A forma como Portugal tem encarado os jogos sob o comando de Fernando Santos beneficia as partidas de mata-mata e os jogos frente a adversários de qualidade, por isso acredito numa participação positiva após a fase de grupos. A maior preocupação estará nos jogos frente a Marrocos e Irã, que vão obrigar Portugal a pegar no jogo e, em muitos sentidos, a mostrar as suas fraquezas".

Para Luís Cristóvão, a pressão de uma derrota na estreia pode ser um problema a mais. "A pressão será muito alta se Portugal perder com a Espanha", alerta o comentarista, que nem por isso deixa de confiar no poder de decisão da equipe. "Portugal não joga bonito, mas tem mais opções para as várias opções do que nunca e tem muitos jogadores com capacidade para decidir", argumenta.

"A equipe não depende apenas e tão somente de CR7", acredita Zeca Marques. "Portugal chega com outro status, o de campeão europeu. Isso tem um peso simbólico importante. Classificou-se sem precisar de repescagem, ao contrário de 2010 e 2014. Tem um técnico que se ajustou muito bem ao cargo e soube ajustar a equipe, ao contrário dos descalabros de Carlos Queiroz em 2010 e Paulo Bento em 2014".

A CONVOCAÇÃO DOS ESPECIALISTAS

Goleiros: Rui Patrício, Anthony Lopes e Beto

Laterais: Cédric, Ricardo Pereira (ou Semedo), Raphael Guerreiro e Fábio Coentrão

Zagueiros: Pepe, Rúben Dias, Damien da Silva e Luís Neto

Meio-campistas: William Carvalho, João Moutinho, João Mário, Rúben Neves, Bruno Fernandes e Manuel Fernandes

Extremos e atacantes: Gonçalo Guedes, Bernardo Silva, Gelson Martins, Ricardo Quaresma, Cristiano Ronaldo e André Silva