<
>

'Batalha campal', ambulância em campo e expulsão relâmpago: história mostra por que Cerro ainda pode complicar a vida do Palmeiras na Libertadores

play
Palmeiras: Deyverson faz coro a Abel, revela pra quem mais torce e aconselha ex-companheiros: 'Têm que aguentar'; VEJA (1:46)

Autor de gol histórico pelo time deixou o clube este ano (1:46)

Alviverde soma duas derrotas para o Cerro - ambas em São Paulo - em edições de Libertadores


Atual bicampeão da Conmebol Libertadores, o Palmeiras está a um passo de conseguir mais uma classificação para as quartas de final da competição sul-americana. Nesta quarta-feira (6), às 19h15 (de Brasília), no Allianz Parque, a equipe de Abel Ferreira enfrentará o Cerro Porteño e pode até mesmo perder por dois gols de diferença que garantirá vaga para a próxima fase.

Na ida, no Paraguai, com gols de Rony e Murilo, o Palmeiras venceu por 3 a 0 e construiu larga vantagem. Porém, isso não significa que o Verdão deva ter vida fácil no Allianz Parque.

Ao longo da história, as duas equipes somam 11 confrontos em competições oficiais. O Palmeiras venceu cinco, com outros quatro empates e apenas duas vitórias dos paraguaios.

Curiosamente, os dois triunfos do Cerro Porteño aconteceram em São Paulo. A primeira vez foi na Libertadores de 2006. Em duelo válido pela fase de grupos, no antigo Parque Antártica, os dois times protagonizaram uma verdadeira batalha campal, com pancadaria entre atletas e membros da comissão técnica de ambas as partes.

Com todos os gols marcados no segundo tempo, os paraguaios venceram por 3 a 2, mas não conseguiram avançar de fase. O Palmeiras foi às oitavas em segundo na chave, com o Atlético Nacional, da Colômbia, avançando em primeiro.

play
1:46

Palmeiras: Deyverson faz coro a Abel, revela pra quem mais torce e aconselha ex-companheiros: 'Têm que aguentar'; VEJA

Autor de gol histórico pelo time deixou o clube este ano

O segundo revés palmeirense aconteceu na Libertadores de 2018. Pela partida de volta das oitavas de final da competição daquele ano, o Alviverde trazia do Paraguai uma vantagem de 2 a 0, que dava grande tranquilidade à equipe de Luiz Felipe Scolari.

No Allianz Parque, logo nos primeiros minutos, Felipe Melo acertou entrada duríssima e recebeu o cartão vermelho, deixando a equipe com dez homens durante praticamente todo o confronto.

No início do segundo tempo, após choque de cabeça entre o atacante Borja e Rodrigo Rojas, a ambulância precisou entrar no gramado e retirar o capitão da equipe paraguaia, encaminhado ao hospital.

Nos acréscimos, Deyverson saiu do banco de reservas e promoveu um espetáculo à parte após sofrer falta dura e inflamar a torcida presente. O centroavante acabou sendo expulso, assim como Marcos Cáceres, do Cerro, por agressão. Após muita apreensão, o árbitro apitou o final da partida e carimbou a sofrida classificação do Palmeiras para as quartas de final.